Após escândalo, Volkswagen perde títulos de Carro Verde do Ano

250 views
Montadora instalou um software para falsificar os números de controle de poluição dos carros.

Há décadas as principais montadoras de veículos do mundo investem em tecnologias para contornar a questão ambiental, principalmente no que diz respeito à queima de combustíveis em seus veículos e os impactos causados no meio ambiente. Inclusive, pesquisas apontam que os consumidores já preferem veículos que não poluam tanto a natureza, o que diretamente tem influenciado na mudança de estratégia comercial das grandes marcas.

Todavia, mesmo com maior conscientização dos consumidores e das empresas, este assunto ganhou um destaque ainda maior nos últimos dias devido ao escândalo envolvendo a Volkswagen… Após denúncia da imprensa, a montadora alemã confirmou ter instalado um software que falsificava os números de controle de poluição em mais de 11 milhões de veículos.

A marca perdeu dois títulos de “Carro Verde do Ano”, concedidos pela publicação “Green Car Journal”, aos modelos Volkswagen Jetta TDI (turbodiesel) e Audi A3 TDI, respectivamente em 2009 e 2010. “Esses modelos foram selecionados como ‘Automóvel Verde do Ano’ por importantes razões: sua alta eficiência de combustível, suas reduzidas emissões de carbono, sua condução agradável e sua habilidade para cumprir as exigências de emissões de 50 estados (dos EUA) com tecnologia diesel de vanguarda”, disse o editor da revista, Ron Cogan, em reportagem publicada no G1.

A decisão chamou ainda mais atenção pelo fato de a Volkswagen não questionar a retirada dos títulos, uma medida que aconteceu pela primeira vez na história da publicação. “A Audi ganhou centenas de concursos e milhares de prêmios ao longo de sua história, mas queremos ganhar de forma justa. Portanto, à luz dos recentes acontecimentos, achamos que o correto é devolver este importante reconhecimento ao cuidado ambiental”, afirmou o presidente da marca nos EUA, Scott Keogh.

Palavra da Volkswagen: abalo na credibilidade

Assim como o mundo automotivo ficou surpreso e os consumidores assustados com esta fraude em dois dos modelos mais vendidos pela Volkswagen, a própria montadora não quer deixar que o episódio passe em branco. “As pessoas que permitiram que isto acontecesse, ou que tomaram a decisão de instalar este programa, agiram de maneira criminosa. Devem assumir sua responsabilidade pessoal”, afirmou o membro do Conselho de Administração da Volkswagen e ministro da Economia da Baixa Saxônia, no norte da Alemanha, Olaf Lies.

Lies também fez questão de reforçar que o problema só chegou ao alto escalão da montadora pouco antes da divulgação para a imprensa, mas mesmo assim ressaltou que a imagem da marca passa por um momento delicado. “Milhões de pessoas perderam a fé na Volkswagen. Tenho vergonha porque pessoas nos Estados Unidos que compraram carros com completa confiança estão decepcionadas”, complementou Lies.

Martin Winterkorn,  presidente da Volkswagen, renunciou ao cargo após a divulgação do escândalo pela imprensa internacional. A justiça alemã já abriu investigação para apurar melhor os acontecimentos.