Sustentabilidade e inovação

364 Visualizações

À medida que o nível de vida da população brasileira melhora, aumenta também as preocupações com o meio ambiente. Ninguém com um nível mínimo de salário e renda deseja viver numa região em que o ar é irrespirável, o esgoto é lançado nos córregos, os cursos d’água são poluídos (e transmitem doenças) e o lixo é lançado em “lixões” a céu aberto.

Isto ocorreu em países como a China, em que o progresso econômico nas últimas décadas foi tão rápido que a poluição das grandes cidades como Beijing se tornou inaceitável.

Poluição na China
Poluição na China. Foto: ap

No Brasil, e em particular em São Paulo, há muito tempo que todas as indústrias necessitam de licença ambiental para funcionar, o que garante um mínimo de qualidade. Foi por essa razão que a região de Cubatão – o “vale da morte” na década dos 80 – foi saneada, graças à ação da CETESB.

Os problemas que enfrentamos hoje não são tão graves como os de Cubatão, mas têm muito a ver com a disposição de resíduos dos produtos que consumimos e eles todos passam pelos estabelecimentos comerciais através do qual os produtos industriais chegam às mãos da população.

Daí a importância de desenvolver métodos novos e eficientes de reciclar resíduos que deixaram de ser “lixo” para ser uma fonte importante de produtos de valor. Reciclar papel e papelão, sacolas plásticas, pneus usados, latas de alumínio já é um grande negócio e agora o recolhimento de telefones celulares, pilhas e baterias e inúmeros outros produtos para recicla-los vai dar origem a novos negócios. Lança-los em “lixões” ou no rio Pinheiros ou Tietê não é mais uma opção.

Reciclar papel e papelão, sacolas plásticas, pneus usados, latas de alumínio já é um grande negócio e agora o recolhimento de telefones celulares, pilhas e baterias e inúmeros outros produtos para recicla-los vai dar origem a novos negócios.”

Além disso, de grande interesse do comércio, é a modernização e inovações que beneficiam o setor como a iluminação eficiente. Mais ainda, na própria área industrial são feitos desenvolvimentos novos que facilitam sua comercialização e que interessam, portanto ao comércio. Os avanços que a Tetrapak fez na preparação de embalagens de papelão para leite, substituindo garrafas de vidro vão nesta direção.

Mais recentemente aumentaram também as preocupações com o uso excessivo de energias obtidas a partir de combustíveis fósseis uma vez que elas dão origem a gases como o CO2 (dióxido de carbono), principal responsável pelo aquecimento da Terra e mudanças climáticas. Métodos de fabricação de produtos usando energias renováveis contribuem para reduzir as emissões e contribuem para a sustentabilidade do planeta.

Artigo anteriorAprenda como montar um viveiro de mudas
Próximo artigoPrograma ensina aos jovens como investir em carreira sustentável
Jose Goldemberg
Doutor em Ciências Físicas pela USP. Já foi Presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (1979-1981); Presidente da Companhia Energética de São Paulo (1982-1985); Reitor da USP (1986-1990); Secretário de Ciência e Tecnologia; Secretário do Meio Ambiente da Presidência da República e Ministro de Estado da Educação do Governo Federal (1991 a 1993); Secretário de Meio Ambiente do Estado de São Paulo (2002-2006). Também foi professor da Universidade de Paris (França) e Princeton (Estados Unidos). É autor de inúmeros trabalhos técnicos e livros sobre Física Nuclear, Energia e Meio Ambiente. Recebeu os prêmios “KPCB Prize for Greentech Policy Innovators” em 2007; “Blue Planet Prize”, da Asahi Glass Foundation (Japão) no mesmo ano; “Trieste Sicence Prize”, da Academia de Ciências do Terceiro Mundo (TWAS), em 2010; e o Prêmio Zayed de Energia do Futuro (Zayed Future Energy Prize), na categoria Life Achievement, em 2013.