Os animais mais feios do mundo: um alerta sobre animais ameaçados de extinção

1.059 Visualizações

Uma iniciativa que acontece todos os anos chama a atenção até dos menos curiosos. Organizado pela Sociedade para a Preservação dos Animais Feios (Ugly Animal Preservation Society), em parceria com a Associação Britânica de Ciência, um concurso online elege os animais mais feios do mundo.

A iniciativa, vista por muitos como engraçada, acontece todos os anos e, na verdade, vai além da divulgação de um ranking diferente. O projeto tem como objetivo alertar as pessoas para o risco de extinção dessas espécies consideradas feias, que são raras e desconhecidas do grande público.

Para a associação e seus voluntários é preciso abrir os olhos de grandes organizações e, também, de outras pessoas sobre a necessidade de cuidar dos animais que não aparecem nas listas convencionais de animais ameaçados de extinção, estendendo a preocupação à preservação ecológica de maneira geral, inclusive dos animais feios.

A ideia é ir além da beleza do urso polar e dos tigres e mostrar que essas espécies listadas também sofrem com caça desenfreada e problemas provenientes da destruição de seus habitats.

Isso porque a atitude natural é sempre dar mais atenção aos animais “mais bonitos” e simpáticos – uma questão cultural, que acontece até nas relações entre humanos, permeia todo o processo evolutivo e vem desde os primórdios.

A última lista foi divulgada em setembro de 2013 e trouxe os 10 dos animais mais feios do mundo. Confira:

Peixe-gota – o animal, que vive no Oceano Pacífico, corre risco de extinção devido à pesca desenfreada.

Peixe-gota
Foto: Reprodução

Rato-toupeira-pelado – roedor originário da Somália, Etiópia e Quênia, passa a maior parte da vida em buracos. Estima-se que esses ratos vivam mais que as outras espécies de roedores.

Rato-toupeira-pelado
Foto: wikipedia

Rã do Titicaca – localizado nos Andes, o Lago Titicaca é o habitat natural dessa espécie de rã. A região bastante devastada contribui para a extinção da espécie, que também lida com problemas de introdução de espécies exóticas.

Rã do Titicaca
Foto: Reprodução

Lêmure Aye-aye – o animal de olhos esbugalhados vive em Madagascar, tem hábitos noturnos e caça larvas nos buracos de árvores.

Lêmure Aye-aye
Foto: wikipedia

Salamandra Axolotl – o nome do animal tem origem asteca e significa monstro aquático. Isso porque a espécie não se desenvolve na fase de larva e, com isso, não adquire características terrestres.

Salamandra Axolotl
Foto: vocerealmentesabia

Toupeira nariz-de-estrela – com um nariz cheio de pequenos tentáculos, que permite determinar se um objeto é comestível em 8 milissegundos, a toupeira é cega e vive em túneis.

Toupeira nariz-de-estrela
Foto: wikipedia

Macaco-narigudo – a espécie vive na ilha de Bórneu e é cercada pro uma crença: ele tem a missão de iluminar os caminhos da humanidade, dando exemplos de amor aos seus semelhantes e iluminação espiritual. Pelo menos é o que acreditam os habitantes da região.

Macaco-narigudo
Foto: wikipedia

Kakapos – esse tipo de papagaio é noturno e incapaz de voar. Devido à caça e degradação ambiental, o animal corre sério risco de desaparecer, já que existem menos de 100 espécies no mundo atualmente.

Kakapos
Foto: wikipedia

Tartaruga focinho-de-porco – encontrada na Austrália e na Nova Guiné, a espécie tem focinho semelhante ao do porco e pode chegar a até 70 centímetros de comprimento. O animal ainda conta com patas em forma de nadadeiras.

Tartaruga focinho-de-porco
Foto: wikipedia

Elefante-marinho – com um nariz grande e avantajado, que pode atingir até 40 cm, esse tipo de animal mede até 6 metros de comprimento e chega a pesar 3 toneladas.

Elefante-marinho
Foto: wikipedia