Veja 15 espécies que podem entrar em extinção a partir de 2015

537 Visualizações

O ano de 2015 começou com péssimas notícias sobre o meio ambiente. A ONG norte-americana Mother Nature Network divulgou uma lista com os 15 animais que podem entrar em extinção a partir deste ano, evidenciando ainda mais o problema conhecido como “evento de extinção em massa”.

O problema acontece, em grande parte, devido às ações humanas, como caça, poluição e queimadas, que levam, consequentemente, à perda de habitat, inserção de espécies chamadas invasivas e mudanças climáticas. Confira a lista com as espécies ameaçadas:

Rinoceronte-de-java

Fonte: Reprodução /anda.jor.br

Das cinco espécies sobreviventes de rinocerontes, esta é a que mais corre riscos de desaparecer, devido a caça predatória e a perda de habitat. Atualmente, cerca de 40 rinocerontes-de-java vivem no Parque Nacional Ujung Kulon, na ilha de Java. 

Boto Vaquita

Fonte: Reprodução /anda.jor.br

Com apenas 97 indivíduos, a espécie está em segundo lugar no ranking. Considerado o menor boto da Terra, o animal vive no Mar de Cortez, no México, onde é frequentemente enredado por caçadores de totoaba, uma espécie de peixe. 

Lêmure esportivo do norte

Fonte: Reprodução /anda.jor.br

A espécie, que perdeu 80% de sua população nos últimos 21 anos, está ameaçada de sumir do mapa devido à enorme quantidade de queimadas no seu habitat natural e pela caça desenfreada para consumo de sua carne.

Tartarugas-de-pente

Fonte: Reprodução /anda.jor.br

 

Com a urbanização de praias e capturas acidentais, a quantidade de animais da espécie vem reduzindo drasticamente com o passar dos anos. Apesar disso, é possível verificar que algumas populações estão se recuperando graças aos esforços de preservação locais, mesmo que em pequena esfera.

Leopardo-de-amur

Fonte: Reprodução /anda.jor.br

Na quinta colocação destaca-se a subespécie de Leopardo-de-amur, que é extremamente rara e conta com apenas 20 animais adultos e seis filhotes na natureza. De acordo com a International Union for Conservation of Nature (IUCN), a espécie conta com a mais baixa diversidade genética de todas as subespécies de leopardos.

Arara-de-garganta-azul, da Bolívia

Fonte: Reprodução /anda.jor.br

O comércio internacional de animais colocou a espécie entre uma das que mais estão ameaçadas de extinção.

Gorilas-das-montanhas

Fonte: Reprodução /anda.jor.br

Com uma população de cerca de 300 membros, que vivem em Uganda e na República do Congo, a espécie está ameaçada de extinção devido a perda de habitat e a caça predatória.

Elefante-asiático

Fonte: Reprodução /anda.jor.br

 

Com a constante caça pelo marfim, a espécie tem desaparecido, sendo classificada como “criticamente ameaçada”. Atualmente é composta por apenas 2.600 indivíduos.

Ganso do Havaí

Fonte: Reprodução /anda.jor.br

A espécie se tornou ameaçada em 1967 e, apesar de um programa de reprodução em cativeiro, a situação ainda é crítica.

Girafa

Fonte: Reprodução /anda.jor.br

Desconhecida de muitos, a situação da Girafa é bastante crítica. Sua população teve uma queda de 43%, passando de 140.000, em 1999, para 80.000.

Morcego de Indiana

Fonte: Reprodução /anda.jor.br

A espécie também entrou para a lista de ameaçadas em 1967. O problema que a afeta, no entanto, é diferente: uma doença chamada síndrome do nariz branco (white-nose syndrome).

Lince-ibérico

Fonte: Reprodução /anda.jor.br

Com apenas duas populações reprodutoras conhecidas, ambas na Espanha, e que somam cerca de 200 indivíduos, a espécie está entre as 15 espécies que podem ser extintas porque dependem 75% dos coelhos para se alimentar – surtos de vírus myxoma nos anos 50 e da doença hemorrágica em coelhos nos anos 80 causaram desaparecimento dos animais.

Sapo do pulverizador de Kihansi

Fonte: Reprodução /anda.jor.br

Os sapos foram declarados extintos na natureza em 2009, após diversas intervenções humanas em seu habitat natural. Para reverter a situação, cientistas iniciaram um programa de reprodução em cativeiro, o que permitiu a reintrodução da espécie em 2012.

Kakapo

Fonte: Reprodução /anda.jor.br

Apesar de uma expectativa média de vida de 90 anos, a espécie é uma das mais raras do mundo. Isso porque, os animais tem sido alvos de caçadores, humanos e animais, nos últimos séculos. Atualmente, a sua população se restringe em 125 animais.

Foca-monge-do-havaí

Fonte: Reprodução /anda.jor.br

Desde o século 19 o animal se encontra em listas vermelhas. Em 1988, inclusive, foi criado um grande habitat para a proteção da espécie. Atualmente, existem cerca de 1.200 indivíduos dessa espécie.