Fibra de caju é reaproveitada para fazer hambúrguer

360 Visualizações
Ana Elisa Sidrin Comparado ao de carne bovina, alimento tem apenas metade das calorias.

Diante de um cenário onde tudo deve ser reaproveitado, não faltam iniciativas para diminuir o descarte incorreto de alguns produtos. Se antes esse trabalho era apenas de artesãos, agora já é possível transformar ingredientes que antes iam para o lixo em alimento.

A Embrapa Agroindústria Tropical (CE) desenvolveu um hambúrguer que tem como principal ingrediente a fibra do caju, muito utilizada nas fábricas de suco. Das duas fórmulas apresentadas, uma é projetada para a produção industrial e a outra para a doméstica. Na primeira há a necessidade de incorporar proteína de soja e outros ingredientes. Por isso, é preciso utilizar equipamentos industriais.

No segundo caso, o feijão-caupi, também conhecido como feijão-de-corda, é utilizado como base protéica. A alternativa é considerada uma ótima opção para agricultores familiares, que podem aumentar a renda com o novo produto.

Como o hambúrger é produzido

O processo básico criado pela empresa envolve a lavagem da fibra para redução da acidez e sabor da fruta. Depois há o processamento para redução do tamanho das fibras.

De acordo com os pesquisadores da Embrapa, em comparação com outros hambúrgueres vegetais disponíveis no mercado, o hambúrguer de caju apresentou excelente aceitação em testes de análise sensorial e de intenção de compra.

A boa notícia não para por aí. O alimento tem apenas metade das calorias do seu similar de carne bovina e é considerado uma boa alternativa para compor dietas com restrição ao consumo de proteína animal, vegetarianas ou veganas.

Conservação do produto

Os hambúrgueres de caju podem ser armazenados congelados, à temperatura de -18 °C, por seis meses. Dessa forma, é possível garantir a qualidade do alimento até que ele chegue ao consumidor final.

A ideia deve gerar valor a toda a cadeia produtiva, que deve aumentar a renda com a produção desses hambúrgueres. Os estudos apontam que, ao final de dois anos, o negócio pode oferecer uma rentabilidade média anual de 43%.

A fibra, que é abundante e barata – ela representa apenas 3% dos custos variáveis de composição do produto –, pode ser aproveitada, ainda, em inúmeros outros produtos, como biscoitos e barras de cereal, dentre outros.