Empresa usa cupuaçu para fazer embalagens

735 Visualizações
iStockphoto.com / diogoppr Antes da estratégia de reuso, 70 toneladas da fruta eram descartadas por safra.

Típico da região amazônica, o cupuaçu é largamente utilizado na culinária local, na produção de doces ou sucos. Como o ingrediente principal é a polpa, a casca e os resíduos acabam sem destino, indo para o lixo. Ao todo, estima-se que haja um desperdício em torno de 70 toneladas de cascas do fruto por safra.

A fim de reverter a situação e com o objetivo de aproveitar ao máximo as propriedades da fruta e colaborar com o meio ambiente, a empresa ‘Bombons Finos da Amazônia’, por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (FAPEAM), deu início ao projeto “Aproveitamento do Resíduo da Casca de Cupuaçu Para Produção de Embalagens Ecológicas”.

Há alguns anos a companhia já colocava algumas partes da fruta nas suas embalagens, com um percentual de aproveitamento em torno de 20%. O restante era perdido ou transformado em adubo orgânico.

Como a ideia agora é utilizar 100% do fruto, foi firmada uma parceria com o grupo de pesquisa em materiais de engenharia da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) que já trabalha com alguns tipos de madeiras e vegetais na elaboração de placas.

De acordo com a equipe, para a produção das embalagens, as cascas e os resíduos do cupuaçu são moídos e misturados a uma resina natural à base de óleo de mamona, que não prejudica o meio ambiente. Dessa forma, é possível produzir painéis ecológicos e caixas.

Ideia colabora com o meio ambiente e garante o desenvolvimento da comunidade local

Além de oferecer um novo produto ao mercado, a empresa quer garantir o desenvolvimento da comunidade local e da cadeia produtiva. Afinal, com o aproveitamento maior do cupuaçu, o produtor terá mais uma fonte de renda. Atualmente a empresa trabalha com cerca de 200 famílias.

A ideia é que esse produto atenda, também, outras empresas e até mesmo o segmento da construção civil. A previsão é que as embalagens sustentáveis fiquem prontas em 2016.