Jovem americana cria papel que conserva alimentos por mais tempo

1.437 views

O significado de empreendedorismo é identificar oportunidades por meio da resolução de um problema, transformando-as em um negócio lucrativo. E foi justamente isso o que a americana Kavita Shukla fez: ela criou, junto de seu sócio Swaroop Samant, o FreshPaper, um papel biodegradável e 100% orgânico, capaz de impedir o crescimento de fungos e bactérias em alimentos.

mnn.comKavita Shukla, criadora do Fresh Paper. 

Tudo começou quando, ainda adolescente, ela foi visitar alguns parentes na Índia. Ao escovar os dentes, ela bebeu água da torneira e eles ficaram preocupados, já que a Índia é um dos países onde o saneamento básico é muito precário, então o risco de contaminação é grande e a pessoa poderia ter uma infecção, doença bacteriana ou fúngica.

Para evitar qualquer uma dessas doenças, a avó de Kavita lhe preparou um chá feito com diversas ervas que impediam o crescimento de bactérias e fungos, o que despertou a curiosidade da então menina.

A partir desse interesse, Kavita pesquisou, desenvolveu com algumas daquelas ervas e patenteou o FreshPaper, produto que aumenta a durabilidade dos alimentos em até quatro vezes do que se fossem armazenados em uma embalagem convencional.

Fonte: mnn.com 

O papel precisa apenas ser colocado na gaveta da geladeira, em fruteiras ou em sacos de frutas e verduras e dura cerca um mês, garantindo alimentos frescos e saudáveis e evitando o desperdício. Após esse tempo, as folhas do FreshPaper podem ser colocadas para compostagem.

Vale lembrar que a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) estima que todos os anos um terço da produção de alimentos no mundo é desperdiçada, processo que começa nas plantações até chegar aos consumidores. Logo, qualquer ação ou ideia que ajude a diminuir este índice é bem-vinda.

Hoje, o FreshPaper é distribuído para redes de supermercados e produtores em vários países. O objetivo agora é aumentar a distribuição e contemplar regiões onde as pessoas não têm acesso a meios de refrigeração por meio de parcerias com ONGs e institutos de pesquisa.

Confira mais no vídeo (em inglês):