Cientistas britânicos aperfeiçoam enzima capaz de comer alguns dos plásticos mais poluentes do mundo

600 Visualizações
Cientistas britânicos estudaram uma bactéria que seria capaz de digerir plástico e, assim, desenvolveram enzina capaz de decompor o material.

O plástico é um dos materiais poluentes que mais preocupa as autoridades ao redor do mundo e, consequentemente, um dos maiores problemas a ser resolvido para manutenção do planeta e seu futuro. Tratando-se, principalmente, do grande volume de matéria gerado nos oceanos, a situação é um reflexo do alto consumo do material e seu descarte incorreto.

Há dois anos, um grupo de cientistas japoneses anunciou a descoberta de uma bactéria capaz de fazer a digestão de polietileno tereftalato (a principal propriedade plástica responsável pela produção de garrafa PET).

De lá para cá, a ideonella sakaiensis 201-F6, nome dado a bactéria, passou a ser estudada por especialistas do mundo inteiro e, recentemente, no Reino Unido, uma equipe aperfeiçoou a fórmula e acabou desenvolvendo a enzima PETase, capaz de decompor o material em apenas alguns dias.

A criação revolucionária, gerou grande expectativa na cúpula internacional, uma vez que só o Reino Unido consome cerca de 13 bilhões de garrafas plásticas todos os anos (sendo que, pelo menos três bilhões destas não são recicladas). Um dado interessante a respeito sobre a nova enzima, é o fato de que a Ideonella sakaiensis tem o plástico como principal fonte de energia – potencializando ainda mais o impacto da solução nos ambientes marinhos de grande poluição.

Ainda em fase de testes e aprimoramento, não há uma estimativa para que a bactéria seja utilizada de maneira efetiva pelas autoridades responsáveis pelos mares e oceanos.

Imagem: iStock / Getty Images Plus / MarinMtk