População de ursos polares deve cair 30% até 2025, aponta estudo

O aumento das temperaturas no Ártico é a principal causa da morte dos animais

3 de janeiro de 2016
publicado por
Redação

flickr.com / U.S. Fish and Wildlife Service Headquarters Além do degelo, a poluição, a prospecção de recursos e mudanças em habitats pela ação humana também representam ameaças potenciais para os ursos.

Os ursos polares, além de sua beleza, são animais extremamente importantes para o ecossistema do planeta. Esses seres adoráveis se encontram em situação de extremo risco graças ao aquecimento global. Um estudo da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN) demonstra que o recuo do gelo dos mares será capaz de dizimar populações até 2025.

Cerca de 26.000 ursos serão eliminados, isso corresponde a 30% de diminuição da população desses animais. A previsão dá conta de que períodos sem gelo de cinco meses ou mais durante um ano vão espalhar fome entre ursos polares já que isso interfere na caça de focas e outros animais que fazem parte de suas cadeias alimentares.

Essas características de períodos de cinco meses ou mais sem gelo podem se concretizar até meados deste século. Existem 19 grupos de ursos polares no Ártico, desses, três já se encontram em declínio. O aumento de temperaturas na região também causa mais doenças e fragiliza os animais.

Quando um importante animal como o urso polar entra em declínio, toda a cadeia alimentar passa por problemas e se desregula. Em setembro, cinco países que possuem regiões polares – Groenlândia, Canadá, Estados Unidos, Rússia e Noruega – entraram em acordo e firmaram o compromisso de uma ação polar. Esta é a primeira estratégia global de conservação e luta pelos ursos polares em ambiente selvagem.