Aquecimento global e os céticos

1.869 Visualizações

À medida que aumentam as preocupações com o aquecimento global está se tornando evidente que medidas de prevenção ou mesmo adaptações terão enormes custos e vão exigir mudanças nas formas com que produzimos e usamos a energia.

É bem claro também que certos setores da economia serão duramente atingidos, uma vez que o uso de combustíveis fósseis terá que diminuir. Não é de surpreender, portanto, o esforço de alguns destes setores em desqualificar os estudos que mostram que o aquecimento global é inevitável.

Refinaria do Rio de Janeiro
Refinaria do Rio de Janeiro. Foto: vejario

Além destes interesses contrariados, há também um pequeno número de cientistas que se auto intitulam “céticos” e tem argumentado contra a avassaladora evidencia que os relatórios do Painel Internacional de Mudanças Climáticas (IPCC) têm produzido. Excluindo os que o fazem por má fé, existem outros que são simplesmente mal informados e que não acompanham os progressos científicos recentes nesta área.

O aumento da temperatura devido às emissões de carbono é um fenômeno de longo prazo e ela já subiu quase um grau centigrado nos últimos 150 anos. Durante algumas décadas a temperatura subiu muito, em outras pouco, mas o que importa é o longo prazo e há explicações para que a temperatura não suba todos os anos.”

Em particular, um argumento que tem sido muito usado pelos “céticos” é o de que nos últimos 10 anos a temperatura global tem se mantido mais ou menos constante apesar das emissões de CO2 (dióxido de carbono) terem aumentado neste período.

Sucede que o aumento da temperatura devido às emissões de carbono é um fenômeno de longo prazo e que ela já subiu quase um grau centigrado nos últimos 150 anos. Durante algumas décadas a temperatura subiu muito, em outras pouco, mas o que importa é o longo prazo e há explicações para que a temperatura não suba todos os anos.

Além disso, o que os “céticos” não mencionam é que há outros indicadores do aquecimento global além do aumento de temperatura e todos eles estão variando de acordo com o esperado segundo modelos e projeções.

Os 10 indicadores mais importantes de um mundo em aquecimento são:

• Temperatura do ar;

• Vapor d’água na atmosfera;

• Área coberta por gelo;

• Temperatura do ar sobre os oceanos;

• Temperatura da superfície do mar;

• Volume das geleiras;

• Temperatura do solo;

• Cobertura de neve;

• Nível do mar;

• Conteúdo de calor nos oceanos.

Artigo anteriorCarcaças de baleias encontradas no litoral africano preocupam ambientalistas
Próximo artigo“Menina Mogli” passou 11 anos entre animais selvagens na África
Jose Goldemberg
Doutor em Ciências Físicas pela USP. Já foi Presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (1979-1981); Presidente da Companhia Energética de São Paulo (1982-1985); Reitor da USP (1986-1990); Secretário de Ciência e Tecnologia; Secretário do Meio Ambiente da Presidência da República e Ministro de Estado da Educação do Governo Federal (1991 a 1993); Secretário de Meio Ambiente do Estado de São Paulo (2002-2006). Também foi professor da Universidade de Paris (França) e Princeton (Estados Unidos). É autor de inúmeros trabalhos técnicos e livros sobre Física Nuclear, Energia e Meio Ambiente. Recebeu os prêmios “KPCB Prize for Greentech Policy Innovators” em 2007; “Blue Planet Prize”, da Asahi Glass Foundation (Japão) no mesmo ano; “Trieste Sicence Prize”, da Academia de Ciências do Terceiro Mundo (TWAS), em 2010; e o Prêmio Zayed de Energia do Futuro (Zayed Future Energy Prize), na categoria Life Achievement, em 2013.