Pesquisadores acreditam que biênio terá novos recordes de calor

385 Visualizações
iStockphoto.com / idizimage El Niño será um dos responsáveis ela alta das temperaturas.

O serviço nacional de meteorologia do Reino Unido conhecido como Met Office lançou no último dia 14 um alerta sobre as altas temperaturas que já sentimos este ano e que se estenderão até o ano que vem. Isso vai acontecer graças às mudanças em fenômenos naturais que acontecem de tempos em tempos e que regulam a variação do clima no planeta.

No século XXI, embora as emissões de gás carbônico tenham se intensificado no planeta, o aquecimento da superfície terrestre não acelerou. Isso significa que as temperaturas subiram mais devagar do que seria esperado devido a essas emissões. A notícia pode até parecer boa, mas não é.

Os cientistas acreditam que esse menor aumento na temperatura da superfície global esconde um grande problema. Eles apontam para a hipótese de que essa energia extra que os homens estão injetando no sistema climático está esquentando o oceano profundo e derretendo as calotas polares. A superfície da Terra, portanto, não aquece tão rapidamente, mas as outras regiões afetadas preparam-se para enaltecer os danos que estão sendo gerados em um futuro próximo.

Previsão é de mais calor

Mesmo que as temperaturas não estejam aumentando de forma tão brusca quanto as emissões de gás carbônico, ainda assim o século corrente registra os maiores valores nas temperaturas globais. No biênio pelo qual passamos a tendência é ficar ainda mais quente.

Mesmo quando desconsideramos o aquecimento global, a própria dinâmica natural do planeta considera oscilações climáticas que podem produzir décadas mais quentes e outras mais frias, ao juntarmos a tendência natural da Terra com o aquecimento provocado pelas ações humanas, ai sim temos uma bomba.

Em 2015 e em 2016 vamos passar por três destas oscilações naturais do planeta. São elas: a Oscilação Decadal do Pacífico (PDO), a Oscilação Multidecadal do Atlântico (AMO) e o El Niño.

Saiba mais sobre  El Niño, PDO e AMO

A cada cinco anos mais ou menos o El Niño produz um grande aquecimento das águas do Oceano Pacífico, perto da América do Sul. Isso muda o regime de chuvas em todo o planeta e causa grandes secas no nordeste brasileiro e incêndios na Amazônia. Sempre que acontece, o El Niño traz consigo um grande aumento nas temperaturas globais. Em 2015 estamos vivenciando um El Niño em curso.

A Oscilação Decadal do Pacífico é um fenômeno de mais longo prazo e também está em período de reversão este ano. Nos últimos anos a PDO (como é conhecida) estava em fase negativa, mas a partir deste ano ela começou seu movimento em fase positiva. Isso significa que o oceano Pacífico vai passar por uma década de aquecimento em detrimento da década passada em que ele estava em fase de resfriamento.

Já a Oscilação Multidecadal do Atlântico, a AMO, vem para dar um respiro para tanto calor. Isto porque ela trabalha em sentido oposto às outras duas neste ano. A AMO é um padrão climático de longuíssima duração. Em toda a história ela só foi alterada em três ciclos até hoje. Cientistas apontam para indícios, ainda não comprovados, de que a AMO esteja entrando em seu período negativo agora. Isto significa que ela pode vir como um resfriamento do Atlântico.

Se ela realmente estiver em fase negativa, pode compensar a PDO e produzir mais décadas de aquecimento contínuo, porém desacelerado. Em todo caso, 2015 já possui médias que estão 0,38ºC mais altas do que a média da primeira década do século XXI. É provável que batamos o recorde de calor de 2014, que foi o ano mais quente da história, e 2016 não será diferente. Prepare-se!