Oceanos e geleiras estão em perigo, segundo relatório especial

350 Visualizações

Mais de 100 cientistas de 30 países contribuíram para o relatório, que prevê tempestades mais poderosas, aumento do risco de inundações e diminuição da pesca, se a produção de gases de efeito estufa não reduzir.

Os oceanos são fundamentais para evitar as mudanças climáticas. Mas, de acordo com um relatório encomendado pela ONU, e publicado no fim de setembro, o fato de os mares estarem absorvendo mais calor e dióxido de carbono (CO2) da atmosfera, pode trazer consequências devastadoras para a humanidade.

De acordo com o documento, a taxa de aquecimento dos oceanos dobrou desde o início dos anos 90, e as ondas de calor marinhas estão se tornando cada vez mais frequentes e intensas. Por conta disso, os ecossistemas oceânicos estão se modificando, tornando-se propícios para tempestades mais poderosas.

Além disso, à medida que os oceanos absorvem mais CO2, eles se tornam mais ácidos, o que ameaça a sobrevivência dos recifes de coral e da pesca.

O relatório especial sobre oceanos e gelo do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) alerta que, sem a redução das emissões de gases de efeito estufa, a pesca será menos produtiva e a força média dos furacões aumentará. Além disso, haverá um crescente aumento do nível do mar, elevando o risco de inundações em áreas mais baixas ao redor do mundo. Segundo o relatório, esses níveis podem aumentar acima de um metro até 2100 se as emissões de gás carbono continuarem a subir intensamente.

O documento mostra ainda que as áreas glaciares do planeta estão diminuindo cada vez mais. Na Europa, leste da África, Andes tropicais e Indonésia, pequenas geleiras perderão mais de 80% de sua massa até 2100, nos piores cenários de emissão. Isto aumentará o risco para as pessoas, com deslizamentos de terra, avalanches, desabamentos de pedras e enchentes. “Mudanças no fornecimento de água não afetarão apenas as pessoas das regiões de montanhas, mas também comunidades distantes”, afirmou Panmao Zhai, vice-presidente de um dos grupos de trabalho do IPCC.

O que é o IPCC

O IPCC é o órgão das Nações Unidas que analisa dados relativos às mudanças climáticas. Foi estabelecido pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (UNEP) e a Organização Meteorológica Mundial em 1988 para fornecer aos tomadores de decisões análises científicas regulares relativas às mudanças do clima, suas implicações e potenciais de risco futuro e inclui 195 Países-membros.

O relatório foi escrito por mais de 100 autores de 36 países, que avaliaram a mais recente literatura científica sobre o oceano e as áreas cobertas por gelo, baseando suas descobertas em cerca de 7.000 publicações científicas. Ele fornecerá informações para os líderes mundiais reunidos nas próximas negociações sobre clima e meio ambiente, como a Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP25), que será realizada no Chile, em dezembro.