Grande parte da carne do futuro não será de origem animal

458 Visualizações

Especialistas afirmam que 60% da carne consumida no mundo daqui há 20 anos será produzida em laboratório.

 

Um relatório publicado pela empresa de consultoria norte-americana A.T. Kearney está deixando muitos carnívoros ao redor do mundo preocupados: de acordo com o estudo, por volta de 2040 grande parte da carne comercializada no mundo não será de origem animal, mas sim, vegetal. O relatório estima que 35% de toda a carne em 2040 será cultivada e 25% serão oriundas de outras opções veganas.

Porém, os apaixonados por carne não têm tantos motivos para se preocupar com esta nova tendência alimentar. De acordo com o estudo, a carne “fabricada” em laboratório promete manter os mesmos padrões em sabor, cor e textura que se tem do alimento original, com a vantagem de não causar tantos danos ao meio ambiente.

Investimento no setor

Algumas empresas norte-americanas vêm investindo na pesquisa e no desenvolvimento de produtos pautados nesta nova tendência: Beyond Meat e Impossible Foods, são duas empresas norte-americanas que já estão se destacando neste mercado.

A Beyond Meat, por exemplo, disponibiliza além dos hambúrgueres, salsichas e bacon idênticos aos originais, mas com produtos de origem 100% vegetal. Já a Impossible Foods, utiliza um ingrediente especial para tornar o seu hambúrguer idêntico ao de carne. Em seu site, eles contam como a leg-hemoglobina (ou legHb) de soja, uma proteína disponível em plantas e que transportam o heme, pode dar o sabor característico de carne aos seus produtos. A empresa afirmou que pretende lançar alternativas vegetais para cada alimento de origem animal até 2035 e a próxima novidade é o peixe vegetal.

Por aqui a Fazenda Futuro lançou o primeiro hambúrguer brasileiro idêntico ao de proteína animal. O Futuro Burger tem como principais ingredientes a proteína de ervilha, a proteína isolada de soja e de grão-de-bico, além de beterraba que ajuda a imitar o aspecto da carne. Atualmente a empresa conta com cerca de 2 mil pontos de venda, entre hamburguerias e supermercados das regiões sul e sudeste, além de Salvador e o Distrito Federal.