Como podemos diminuir os impactos ambientais causados pelo petróleo?

14.885 Visualizações
Considerado um recurso estratégico e básico para a sociedade, o petróleo é altamente poluente e pode estar completamente extinto em 40 ou 50 anos.

O petróleo é considerado o ouro negro pelo seu grande valor na atual sociedade, já que é a principal fonte de energia não renovável do mundo. O líquido é um recurso natural muito abundante na natureza e, embora seja limitado, pode abastecer a mais variada gama de segmentos — de carros a indústrias, fornecendo energia elétrica e servindo como base para a fabricação de diversos produtos.

Por ser um produto tão importante, o petróleo é bastante disputado entre as nações e o centro de negociações e guerras pela sua riqueza. Infelizmente, ele também é um dos principais poluentes atmosféricos e da água..

Qual a importância do petróleo para a sociedade?

No início da Revolução Industrial, as máquinas eram ativadas pela lenha em fornalhas, até começarem a ser substituídas pelo carvão mineral. Com sua combustão direta, o carvão produzia o vapor que se tornou a grande alavanca motivadora dos avanços da industrialização. As máquinas a vapor de carvão foram criadas no início de 1700, mas só começaram a ser comercializadas entre 1774 a 1800.

Mesmo o petróleo sendo conhecido pela humanidade desde a Antiguidade, foi só em meados do século XIX que ele passou a ser inserido nas indústrias por meio máquinas de motor e explosão. O produto rapidamente passou a ser usado em larga escala, substituindo o carvão como fonte de energia e matéria-prima. Tudo porque tem alto poder calorífico, é fácil de ser transportado por possui matriz energética líquida, é aparentemente bastante abundante e como matéria-prima tem inúmeras outras utilizações.

Derivado do hidrocarnoneto, a palavra petróleo vem de “pedra e óleo”, por se tratar de uma substância mineral vinda do subsolo. Mais denso que a água, possui coloração negra até tons de castanho escuro de acordo com sua origem. É um combustível fóssil, já que é originado da decomposição de organismos vegetais e animais ao longo de milhares de anos, nas camadas mais profundas do solo e do mar.

Antes de ser utilizado, o petróleo é refinado, passando por vários processos em que seus componentes são separados e podem produzir gasolina, óleo diesel, querosene, GLP (Gás Líquido de Petróleo), parafina, entre outros produtos.

Impactos ambientais causados pelo petróleo

Pela sua importância vital para o abastecimento de energia, o petróleo é considerado um recurso estratégico e básico para a sociedade industrial contemporânea. Porém, diante de tanta dependência sobre ele, há uma expectativa de que em 40 ou 50 anos ele possa estar completamente em extinção — o que expõe a necessidade de buscar por novas alternativas mais econômicas e menos poluentes.

A discussão mundial que mais tem ganhado repercussão é justamente a que busca maneiras de diminuir os impactos ambientais causados pelo petróleo. Isso porque há anos que as empresas petrolíferas vêm devastando florestas tropicais, especialmente na África e América latina, contaminando populações indígenas e derramando milhões de litros de petróleo em bacias hidrográficas.

Além disso, a produção de petróleo trabalha sempre com grande risco potencial de poluição ambiental. Só a refinaria de petróleo é responsável pela maior parte da poluição do ar, uma vez que são emitidos poluentes em forma de fumaça com óxidos sulfúricos e nitrogenados., enxofre e metais pesados.

Apesar de todos esses impactos negativos, é o transporte de cargas — especialmente em oceanos — que ocupa o primeiro lugar de impacto ambiental. Isso porque frequentemente ocorrem vazamentos de petróleo que causam um prejuízo inestimável para a vida marinha. As manchas de óleo resultantes impedem a entrada de luz no mar e a fotossíntese dos vegetais não pode ser realizada da forma correta, além de impregnar as penas das aves e escamas dos peixes, impedindo a respiração e causando a morte por hipotermia.

Como minimizar esses impactos?

Há algumas tecnologias utilizadas para minimizar os estragos causados pelos acidentes, como o uso de dispersantes, absorventes sintéticos, absorventes naturais e absorventes para óleos viscosos.

A prevenção é sempre a melhor forma de diminuir os impactos ambientais. Nesse sentido, é importante investir na adoção de rigorosas medidas preventivas contra acidentes em plataformas de petróleo, bem como em uma fiscalização mais rigorosa do governo, manutenção das plataformas e refinarias, aplicação de multas pesadas para qualquer acidente causado pelo petróleo e cuidado com as lavagens de reservatórios para que a água contaminada não seja despejada no mar.

No caso da emissão de monóxido de carbono na atmosfera, que é capaz de afetar o equilíbrio térmico da estratosfera e agir diretamente na saúde humana, outras medidas como rodízio de automóveis em grandes cidades são boas tentativas de despejar um pouco menos de poluentes de petróleo no ar. Na prática, porém, essas medidas apresentam resultados mínimos.

Em paralelo a isso, há a indicação de instalações de filtros e equipamentos antipoluentes nas indústrias, planejamento de construção de fábricas longe das cidades, implantação de mais áreas verdes em centros urbanos, melhor gerenciamento do tráfego para evitar congestionamentos, controle da qualidade de combustível e ampliação de transportes coletivos menos poluentes como metro.

Imagem: iStock / Getty Images Plus / Liountmila Korelidou