Dados revelam que desmatamento atinge metade do Cerrado

326 Visualizações
iStockphoto.com / edsongrandisoli Em contrapartida, 54,6% do bioma está preservado.

O Cerrado é um dos maiores biomas brasileiros, ocupando cerca de 22% de nosso território. Um programa denominado “TerraClass” conseguiu, pela primeira vez, mapear a cobertura vegetal deste bioma e detectar o uso da terra nessas regiões. Para tanto, foram utilizadas 121 imagens de satélite. O estudo mostrou que 54% do Cerrado encontra-se preservado, enquanto o restante de sua área está ocupada por meio de urbanização, silvicultura, mineração e, principalmente, agricultura e pastagem.

O Ministério do Meio Ambiente, que divulgou os dados da pesquisa, também explicou que essa tecnologia de busca de imagens de satélite já foi utilizada anteriormente para o mapeamento da Amazônia. A ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, afirmou que a notícia é boa, já que previsões anteriores apontavam para uma área ainda menor de Cerrado preservado e que agora o novo estudo possui validade técnico-científica e demonstra que as previsões anteriores eram equivocadas.

No estudo, foram consideradas áreas preservadas aquelas que possuem os padrões de cobertura de terras correspondentes ao Cerrado, mas isso não significa que não existam atividades humanas nessas áreas, elas apenas são menos intensas e invasivas. O Cerrado abriga nascentes das Bacias do Araguaia-Tocantins e São Francisco, além dos principais afluentes das Bacias Amazônica e do Prata e, por isso, é considerado estratégico na área de recursos hídricos.

Estados como o Mato Grosso do Sul e São Paulo tiveram grandes perdas dessa cobertura vegetal, 68% e 81% respectivamente. Só que é preciso levar em consideração também a proporção da presença do Cerrado em cada um desses estados, sendo a recorrência dele em São Paulo bastante pequena (81.100 km²). Goiás é o terceiro estado com incidência deste bioma (329.600 km²) e possui apenas 42% dele preservado.

O Ministério do Meio Ambiente dará continuidade ao programa e em 2017 será a vez da Mata Atlântica ser mapeada. Em seguida serão o Pantanal, a Caatinga e o Pampa.