Pérola negra corre risco de extinção por conta das mudanças climáticas

642 views
iStockphoto.com / ivstiv Base da economia da Polinésia Francesa, a pérola negra pode estar ameaçada dentro de um século.

As pérolas negras são joias muito raras que passam por um processo delicado para serem produzidas. Elas são ainda mais caras que as pérolas normais porque são feitas por uma categoria especial de ostras, as Pinctada Margaritiferas. Em seus estados naturais, a recorrência de pérolas negras é de uma a cada dez mil ostras, mas, hoje, o cultivo de moluscos permite que elas sejam produzidas em larga escala e de maneira mais controlada.

A partir dos anos 60, a Polinésia Francesa ficou mundialmente conhecida pelo cultivo de pérolas negras. As variedades ali produzidas ficaram conhecidas como Taiti e apresentam uma qualidade que faz com que as joias sejam vendidas a altos preços. Essa fama fez com que as pérolas negras se transformassem na base econômica da região, sendo de extrema importância para o país.

O problema é que as ostras são animais muito delicados e morrem facilmente em águas que não sejam puras. A poluição e o aumento da acidez e do aquecimento das águas na Polinésia Francesa têm causado a morte de muitas ostras e feito com que o cultivo diminua.

Em centros de pesquisa, cientistas tentam entender de que forma as alterações climáticas influenciam no desenvolvimento das pérolas, fazem testes com previsões das características das águas nos próximos anos e analisam como as ostras se comportarão nesses ambientes. Por enquanto, o futuro das Pinctada Margaritiferas e de suas belas pérolas negras é bastante sombrio.

Como são feitas as pérolas negras

As pérolas nada mais são do que invólucros de nácar produzidos pelas ostras como uma forma de reação a corpos estranhos que entram nelas e geram uma irritação. Esses corpos podem ser um grão de areia ou um pequeno núcleo pré-fabricado feito da própria concha de outras ostras.

Os cultivadores precisam esperar de dois a três anos para que as várias camadas de nácar envolvam o núcleo que causou a irritação e resultem na bolinha preciosa. Após remover a pérola, o cultivador pode colocar as ostras-dos-lábios-negros (como são também conhecidas as Pinctada Margaritiferas) novamente na água para que elas se recuperem antes da nova nucleação ser feita.