5 plantas nativas para você cultivar no seu jardim

5.128 Visualizações
teresaterra Conheça algumas espécies nativas para deixar o seu jardim mais bonito.

Não dá para negar que o Brasil é um dos países mais ricos em flora do mundo. Sua variedade de clima e relevo traz uma biodiversidade extremamente única, composta por mais de 56 mil espécies diferentes de plantas nativas, de acordo com o Instituto Brasileiro de Florestas.

Muitas dessas espécies podem ser utilizadas para consumo humano, fabricação de cosméticos, chás medicinais ou simplesmente para ornamentação de jardins. Além disso, utilizar essas plantas nativas pode ser essencial para reequilibrar o meio ambiente, ajudar a salvar outras plantas e animais da extinção e educar as pessoas na prevenção dos remanescentes naturais.

Com tanta diversidade fica muito difícil saber quais são as melhores para cultivar, não é? Por isso, o botânico Ricardo Cardim, criador do blog Árvores de São Paulo, escreveu um artigo indicando algumas das melhores plantas nativas para usar em seu jardim. Veja abaixo cinco delas:

5 Plantas nativas para cultivar no jardim

Guaimbé (Philodendron bipinnatifidum)

Guaimbé (Philodendron bipinnatifidum)
Planta perene pertencente à família das Araceae e nativa do Brasil, o Guaimbé possui folhas espetaculares de coloração verde escura e muito brilhantes. Elas possuem uma adaptação incrível e ficam bem em quase todos os ambientes.

Essa espécie pode ser colocada em vasos para decorações de jardins, dando ao local um ar tropical e extremamente agradável. O cultivo dessa planta deve ser feito em substrato rico, com regas regulares, à meia-sombra ou pleno sol.

Cambucá (Plinia edulis)
Conhecida como Cambucá, essa árvore frutífera é nativa da zona litorânea da Mata Atlântica e pertencente à família das Myrtaceaes. Suas flores são brancas e aparecem solitárias ou em grupos no caule, assim como a jabuticaba.

Com características únicas, seus frutos podem ter de 4 a 7 cm de diâmetro, arredondados e achatados nas exterminadas, casca lisa, coloração amarelo-alaranjado e um sabor delicioso. Elas ficam extremamente lindas se plantadas no jardim, pois possuem uma copa densa, tronco ornamental e, na época de frutos, adquire um incrível efeito decorativo.

O cultivo dessa espécie deve ser realizado a pleno sol ou meia-sombra e deve ser irrigada regularmente, de duas a três vezes por semana, mantendo assim o solo sempre úmido.

Palmito-jussara (Euterpe edulis)

Palmito-jussara (Euterpe edulis)
Palmeira nativa da Mata Atlântica, conhecida por produzir palmito do tipo jussara, a Euterpe edulis possui folhas compridas, flores de coloração amarelada e frutos bastante carnosos.

Mesmo chegando a até 30 cm de altura na idade adulta, a palmeira é uma espécie ornamental que pode ser também cultivada em vasos e, quando adulta, ornamentar jardins, por ter uma beleza tropical diferenciada e ser um atrativo especial para passarinhos. Seu cultivo deve ser feito à meia-sombra ou pleno sol, em solo fértil e irrigado regularmente.

Dicorisandra ou gengibre-azul (Dichorisandra thyrsiflora)

Dicorisandra ou gengibre-azul (Dichorisandra thyrsiflora)
Originária do Brasil, esse arbusto da família das Commelinaceae é tipicamente tropical, apresenta folhas largas e brilhantes e flores de coloração azul-arroxeada que florescem o ano todo.

Planta rústica e florífera, o gengibre-azul pode ser cultivado nos jardins e fica lindo se colocado junto de outras plantas. Seu cultivo deve ser feito à meia-sombra, em solos adubados e regados regularmente.

Pitanguinha (Eugenia mattosii)
Originária da restinga do estado de Santa Catarina e parte do Paraná, a Pitanguinha é um arbusto frutífero bem parecido com os buxinhos. Ela possui frutos arredondados e pequenos que chegam a medir até 1 cm e de coloração vermelho-intenso e brilhante. Já suas folhas são duras e lustrosas, de floração branca e intensa.

Essa espécie de planta muito rara e de beleza indescritível precisa ser preservada, sendo ótima para o cultivo ornamental nos jardins, podendo ser usada em vasos e bonsais ou como cerca viva.

A planta pode se adaptar a diversas condições climáticas e deve ser cultivada em solos ricos e drenados, mas que retenham umidade.