Stephen Hawking prevê que humanidade tem apenas mais mil anos na Terra

659 Visualizações
© Depositphotos.com / Taden1 Físicos alerta para a necessidade de se explorar novos planetas.

Um dos físicos e cosmólogos mais respeitados da história, o britânico Stephen Hawking advertiu em uma palestra que aconteceu na Universidade de Cambridge, que os seres humanos não devem sobreviver a mais mil anos aqui na Terra.

Segundo ele, a única coisa que poderia salvar a humanidade da extinção seria descobrir outros planetas habitáveis para a criação de colônias. E ele ressaltou: “Precisamos continuar no espaço para o futuro da humanidade.”

Hawking, que é um grande estudioso do universo, explicou que os avanços da tecnologia hoje já nos dão a capacidade de estudar a fundo a natureza, seres humanos e também o espaço. “O fato de que nós, humanos, como meras partículas fundamentais da natureza, temos sido capazes de entender as leis que governam a nós e ao universo, é certamente um triunfo”, disse durante a palestra.

Após muito estudo, informações e descobertas, o cientista chegou à conclusão de que no próximo milénio, nós, seres humanos, não teremos mais condições de habitar o planeta Terra. Porém, ele deixou claro que todo o conhecimento adquirido até hoje e o que está por vir deve ser o bastante para impossibilitar nossa extinção.

Inimigos desconhecidos

Mesmo sem levar em consideração os efeitos que preocupam a humanidade, como as mudanças climáticas, pandemias globais e capacidades nucleares dos povos em guerra, em breve nós poderemos lutar contra outros tipos de inimigos que ainda nem sequer saberíamos lidar.

Claro que o objetivo é encontrar novos planos de apoio para tentar solucionar esse problema, e é por esse fato que o prazo de mil anos do cientista para a destruição vem com uma observação: teremos uma chance se acharmos outro lugar no Sistema Solar para afastar-nos de nós mesmos.

Hawking já está trabalhando em novos programas, como o SpaceX de Elon Musk, na esperança de colonizar Marte e, se possível, outros planetas próximos ao nosso sistema sola, além de estar investindo intensamente para que as viagens espaciais de longa duração sejam mais viáveis.

Mesmo assim, ele advertiu que é preciso ter muito cuidado com essas questões de planejamento e criação de colônias autossustentáveis fora da Terra. E ainda finalizou com uma importante mensagem: “Tente fazer um sentido sobre o que você vê. Pergunte sobre o que faz o Universo existir. Seja curioso”, disse ele aos alunos na conferência de Cambridge. “Por mais difícil que pareça a vida, sempre há algo que você pode fazer e ter sucesso. É importante que você não desista”, finalizou.