Como foi o processo de formação do planeta Terra

83.500 Visualizações
Depositphotos Segundo cientistas, a origem da Terra se deu com uma grande explosão, conhecida como Big Bang.

Atualmente, muito se comenta sobre fenômenos como o aquecimento global, o desmatamento, a crise hídrica, entre outros problemas que o planeta enfrenta, mas você sabe como foi o processo de formação da Terra?

Desde sua formação, há cerca de 4,6 bilhões de anos, o planeta Terra está em constante transformação, seja em seu interior ou na superfície. E essas mudanças, perceptíveis ou não, ocorrem devido a grande energia existente no centro da Terra e também por agentes externos, como nos períodos de temperaturas extremamente elevadas e de glaciação e pelas ações do homem.

Segundo os cientistas, há 13 bilhões de anos ocorreu uma explosão muito potente, a famosa Big Bang. Essa explosão teria dado origem à matéria de todo o universo.

No início do Sistema Solar, existiam apenas grãos microscópicos de poeira e gases espaciais que orbitavam ao redor do Sol e, pela força de atração gravitacional, eles começaram a se juntar e formar corpos cada vez maiores e com mais massa, conhecidos por planetésimos, gerando os planetas, incluindo a Terra.

Geologicamente, a história da Terra é dividida para distinguir os períodos de grandes mudanças. Inicialmente existem os éons, que são subdivididos em eras, que se subdividem em períodos, que por sua vez são subdivididos em épocas. As eras geológicas são: a Arqueozóica (que incluem os éons Hadeano e o Arqueano, início da formação da Terra), a Proterozóica (início da vida); a Paleozóica (vida primitiva); a Mesozóica (vida intermediária) e a Cenozóica (vida moderna).

Reprodução

No princípio, o planeta era extremamente quente, equivalente a uma imensa bola de fogo, com aproximadamente 1.500°C, não abrigando nenhuma forma de vida.

Passados milhões de anos após a formação do planeta, a Terra entrou em um processo de resfriamento gradativo, com o desprendimento de gases e vapores. Isso fez com que os gases formassem a atmosfera (composta de metano, amônia e outros compostos) e uma parte desses vapores seria vapor-d’água que, à medida que se afastava da massa incandescente, resfriava-se e se transformava em água líquida, precipitando em forma de chuva. Assim, repetindo-se por muitas vezes, a superfície da Terra foi resfriando lentamente e grandes quantidades de água foram se acumulando, o que formou os oceanos primitivos. Essa alteração também originou uma estreita camada de rocha em toda a Terra. Todas essas mudanças duraram aproximadamente 800 milhões de anos.

A partir da solidificação da Terra e da formação do supercontinente, a Pangeia, a formação do oceano, nomeado Pantalassa, foi fundamental para o surgimento da vida no planeta, pois, segundo os cientistas, a origem da vida veio dos seres aquáticos.

Há cerca de 3,5 bilhões de anos, apareceram bactérias muito primitivas, unicelulares. Com a fotossíntese, feita por essas bactérias, a atmosfera acumula oxigênio. Dessa forma, surgiram as algas, além de outros microrganismos pluricelulares.

Por algum tempo durante os primeiros 800 milhões de anos de sua história, a superfície da Terra mudou do líquido ao sólido.

Essas primeiras formas de vida foram importantes para a origem de outros seres oriundos dos microrganismos, como os invertebrados, dentre eles medusas, trilobitas, caracóis e estrela-do-mar, além disso, se desenvolveram plantas tais como as algas verdes. Todos os seres vivos desse momento habitavam ambientes marinhos.

Na era Paleozóica, algumas espécies de plantas marinhas desenvolveram a capacidade de se adaptar fora do ambiente aquático, migrando para áreas continentais e dando origem às primeiras plantas terrestres. Apareceram também inúmeros grupos de seres vivos, entre eles os artrópodes e os vertebrados.

Os animais terrestres tiveram sua origem a partir do momento em que algumas espécies de peixes saíram da água, aparecendo aos anfíbios e posteriormente os répteis. Cronologicamente, as plantas na Terra teriam surgido há cerca de 400 milhões de anos e os animais anfíbios há 350 milhões de anos.

Já na era Mesozóica, o planeta Terra ficou povoado por grandes répteis, como os dinossauros. Originaram-se também as plantas com flores e os mamíferos. Há cerca de 200 milhões de anos, a massa de terra teria começado a se afastar, devido ao efeito das placas tectônicas, blocos da superfície da crosta terrestre. Esse movimento formou a Laurásia (ao Norte) e a Gondwana (ao Sul). Durante os períodos seguintes, os dois continentes continuaram a fragmentar-se e, no fim do Mesozóico, eles já se configuravam de forma parecida aos continentes atuais.

A extinção dos grandes répteis aconteceu há 70 milhões de anos, cuja causa foi, provavelmente, a colisão de um asteróide com a Terra, formando uma grande nuvem de poeira que cobriu todo o planeta, impedindo a radiação solar direta e o consequente esfriamento da superfície.

Depois, na era Cenozóica, houve uma etapa de mudanças radicais na Terra. Há aproximadamente 65 milhões de anos, houve a movimentação do pedaço de terra correspondente à Austrália e à Índia em direção ao Norte, aproximando a Austrália com o Sudeste Asiático e, com o choque da Índia com a Ásia, teve início a formação da Cordilheira do Himalaia. No mesmo período, surgiram outras grandes cadeias de montanhas.

Como a atmosfera já possuía as mesmas características atuais, os mamíferos e as aves, se desenvolveram e proliferaram por todo o planeta, habitando a Terra até hoje. Os ancestrais dos seres humanos apareceram há aproximadamente quatro milhões de anos. Também, o planeta entrou em períodos de glaciações, ocasionadas pelo crescimento das geleiras, oscilando entre períodos de climas temperados, o qual vivemos hoje. Há 11 mil anos, as geleiras se fixaram nas zonas polares.

Fortes perturbações na crosta terrestre provocaram profundas mudanças no clima e na geografia, influenciando de forma decisiva a evolução da vida e a distribuição da fauna e da flora. A América do Sul, a África e a Índia eram ilhas há 50 milhões de anos. A geografia atual dos continentes é um fenômeno que data de 40 milhões de anos. E a evolução da vida no planeta foi um processo com algumas interrupções, pois algumas plantas e animais evoluíram para desaparecer milhões de anos mais tarde, enquanto outros espécimes resistiram quase sem sofrer grandes mutações. Já o homem moderno surgiu no planeta Terra há cerca de apenas 200 mil anos.

Por fim, como mencionado anteriormente, o planeta está em constante transformação e pode ser que, daqui a milhares de anos, a configuração da Terra seja diferente do que conhecemos hoje. Por isso é tão importante preservarmos ao máximo a fauna, a flora e os recursos naturais, garantindo um futuro melhor.