Engenheira brasileira cria garrafa que purifica água

206 views

Além de sustentável, a inovação cabe dentro da bolsa!

Bárbara Paiva, Engenheira Ambiental e mestranda da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), é a responsável pela criação do projeto Aqualux, que transforma qualquer água em potável através da radiação com filtro carregado à luz solar – e tem o tamanho de uma garrafa de água padrão.

A ideia surgiu há cinco meses a partir de estudos na disciplina Empreendedorismo e Inovação, através da qual pôde pesquisar um dos pilares do seu mestrado que estuda a esterilização de parasitas por meio da radiação. A realidade de 35 milhões de pessoas que não têm acesso à água potável foi um dado importante e de peso para o desenvolvimento do projeto.

Bárbara vê no projeto um grande diferencial na aplicação da tecnologia porque a água poderá ser esterilizada em locais onde não têm energia elétrica. “Desenvolvi esse projeto com o objetivo de democratizar o acesso à água potável e garantir esse acesso de uma forma mais simplificada, usando a luz do sol.”, explica a estudante.

Resumindo: a garrafa filtra, esteriliza e refresca a água para o consumo humano. Uma importante – e eficaz – ferramenta para a população que não tem acesso à água potável.

E não para por aí!

Foto: Pais & Filhos

O Aqualux vai representar o Brasil na grande final do Red Bull Basement University 2021, que acontece entre os dias 13 e 15 de dezembro em Istambul, na Turquia, e vai premiar as ideias mais inovadoras do planeta.

O Red Bull Basement é um programa universitário mundial que ajuda a capacitar alunos com ideias inovadoras, usando a tecnologia para gerar mudanças positivas. Neste ano, ele teve 4.041 ideias inscritas de vários países e, desse total, foram selecionadas 43 para a etapa final. O projeto da mestranda da UFOP já é o grande vencedor do Brasil. A ideia vencedora receberá recursos para o desenvolvimento tecnológico do produto.

Bárbara Paiva acredita que, durante os três dias de imersão no universo da inovação, empreendedorismo e tecnologia, ela vai poder dar visibilidade ao projeto, receber suporte, mentoria, aprender nos workshops que serão realizados e aumentar a rede de relacionamentos.Um dos seus objetivos é arrumar formas de produção em série das garrafas para tornar mais acessível, mapear os diferenciais competitivos mais atrativos para os investidores e ampliar o mercado de potenciais consumidores.

Inovações como essa nos mostram que aliar tecnologia e educação é um ótimo caminho para um futuro mais verde e sustentável!

***

Conheça o podcast do Pensamento Verde e ouça os bate-papos super dinâmicos com profissionais feras em sustentabilidade! Conteúdos novos todos os dias!

Fontes: Ciclo Vivo | Estado de Minas Gerais | Uol