Paris bane carros da sua avenida principal

524 views
© Depositphotos.com / jovannig Apesar da mudança, o trafego de carros se manteve tranquilo.

Há 15 anos a prefeitura de Paris vem trabalhando no projeto “guerra ao carro”, que visa combater o trânsito e melhorar o ar da cidade. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a poluição do ar é responsável pela morte de aproximadamente 42 mil pessoas por ano.

Por isso, diversas medidas vêm sendo tomadas para tentar combater esse número alarmante e melhorar as condições de trânsito da cidade, como o banimento da circulação de carros produzidos antes de 1997 nas ruas centrais. E este ano mais uma atitude foi tomada: Paris decidiu abolir de vez os carros de sua avenida principal, criando uma alternativa para pedestres e ciclistas.

Como todos os outros anos no verão, a cidade fechou sua principal avenida para o início do programa “Praia de Paris”, que cria uma praia artificial às margens do rio Sena, acrescentando 3,5 mil toneladas de areia, 50 palmeiras, 900 cadeiras de praia e 450 guarda-sóis. Porém, este ano, a administração pública inovou e decidiu permanecer com a avenida de 3,3 Km fechada para circulação dos carros.

A grande preocupação da prefeita, Anne Hidalgo, era que o trânsito das ruas tivesse uma grande piora, mas não foi exatamente isso que aconteceu. O tráfego se manteve calmo e diversos carros desapareceram das ruas mesmo em horários de pico. Apenas as ruas próximas à avenida sentiram um pouco do reflexo dessa modificação.

Dados mostraram que em setembro de 2015, aproximadamente 2,6 mil veículos transitavam por hora pela avenida antes do seu fechamento. Após a medida foi registrado que apenas 1,3 mil carros circulavam pelas ruas secundárias, mostrando que as pessoas decidiram optar pelos transportes alternativos para sua locomoção diária.

A cidade está investindo bastante na mobilidade urbana e fazendo diversas mudanças importantes para a melhoria do transporte alternativo. O objetivo é que até 2020 seja criado uma ciclovia que atravessa a cidade inteira e ainda fazer a reforma de todas as áreas turísticas para que fiquem mais amigável para ciclistas e pedestres.