Cadeira movida à energia solar oferece autonomia à pessoas com deficiência física

413 Visualizações
Seatrac
A grega Matoula Kastrioti agora pode se banhar na praia em Alepochori.
Foto: Karolina Tagaris and Yorgos Karahalis (Reuters)

À medida que a sociedade se conscientiza de que é preciso viabilizar a acessibilidade aos portadores de quaisquer tipos de deficiências, são desenvolvidas estruturas para auxiliar as pessoas que possuem necessidades especiais. Por isso, visando melhorar a qualidade de vida das pessoas com deficiência física, uma equipe de cientistas gregos criou um aparelho que move cadeiras de rodas a partir de energia solar e permite que, por meio de trilhos, estas pessoas entrem e saiam do mar de maneira autônoma.

Atualmente, são adotadas ações como a instalação de rampas em vias públicas e construções, elevadores nas edificações, espaços reservados nos meios de transporte público, produtos adaptados para suas necessidades e oferta de vagas para estudo e trabalho. No entanto, protegido por leis de patente europeias e americanas, o produto elaborado na Grécia, em 2008, promove o acesso a momentos de lazer e contato com a natureza, o que até então parecia uma realidade distante.

Seatrac
Foto: Karolina Tagaris and Yorgos Karahalis (Reuters)

Ensolarado na maior parte do ano e banhado pelos mares Mediterrâneo, Jônico e Egeu, o território helênico acostumou seus habitantes a mergulharem com frequência, contudo, devido à falta de apoio do governo, existem apenas 11 unidades do dispositivo batizado de Seatrac, que tem capacidade para movimentar até 30 cadeiras por dia. Isto é, a pequena quantidade de máquinas reduz o número de indivíduos beneficiados pelo projeto. Enquanto isso, o time de pesquisadores ressalta que, se contasse com investidores, o mecanismo teria o preço barateado, uma vez que apresenta o custo R$ 90.810.

Somente em 2013, as agradáveis condições climáticas na Grécia atraíram aproximadamente 17 milhões de turistas, ou seja, dar oportunidade às pessoas com deficiências físicas a possibilidade de interagir com este cenário paradisíaco aumentaria o número de visitantes, o que poderia funcionar como uma válvula de escape para a recessão econômica enfrentada pela Grécia. Países como Croácia, França, Emirados Árabes Unidos e Israel têm interesse pelo produto, que já foi exportado para o Chipre.

Em princípio, o Seatrac fazia “apenas” a locomoção das cadeiras de rodas via energia solar, não permitia que pessoas com deficiência física percorressem trechos costeiros, entretanto, após algum tempo foram implementadas pranchas de madeira para conduzir as pessoas até a água, promovendo diversão e hidroginástica para quem possui mobilidade reduzida. Beneficiando o meio ambiente, a saúde das pessoas com deficiência física e o turismo, a “trilha do mar” ajudaria o Brasil a dar um passo rumo à acessibilidade.

Seatrac
Pranchas de madeira que conduzem os cadeirantes até água.
Foto: Karolina Tagaris and Yorgos Karahalis (Reuters)