Bitcoin pode consumir tanta energia quanto todos os data centers globais

175 views

Bitcoin é uma moeda digital criada em 2009 que cumpre a promessa de taxas de transação mais baixas do que os mecanismos de pagamento on-line tradicionais e, ao contrário das moedas emitidas pelo governo, é operado por uma autoridade descentralizada graças ao uso da tecnologia blockchain.

Embora seu valor tenha crescido ao longo dos anos, os problemas práticos e as ineficiências do Bitcoin foram gradualmente surgindo. Desde a falta de proteção ao consumidor até a facilitação de crimes como lavagem de dinheiro, sonegação de impostos, compra de drogas e armas ou pornografia infantil. Mas esses não são os problemas que estamos cobrindo aqui.

O Bitcoin gasta muita energia (e o Elon Musk sabe disso)

O Bitcoin é constantemente atualizado por uma rede de computadores em todo o mundo operada pelos chamados “mineiros”. O preço de mercado da moeda é um forte incentivo para os mineiros investirem em mais hardware e eletricidade. À medida que o preço sobe, mais pessoas fazem pedidos de compra e operação de hardware de mineração, causando um aumento no consumo de energia; e vice-versa quando o preço cai. O aumento recorde neste preço no início de 2021 pode fazer com que a rede consuma tanta energia quanto todos os data centers em todo o mundo.

O Bitcoin não serve a quase ninguém, mas ainda consegue consumir a mesma quantidade de eletricidade. É 1% do nosso consumo total de energia elétrica global. Apenas 120 milhões de transações são processadas por ano, enquanto o mundo financeiro global processa 710 bilhões de transações digitais por ano.

Mas quão ruim é o Bitcoin para o meio ambiente exatamente?

Um estudo publicado na Nature Climate Change adverte que as emissões de Bitcoin por si só podem empurrar o aquecimento global acima de 2 °C, isto porque o impacto não é apenas sobre a quantidade de energia usada. Outros fatores também precisam ser considerados.

Energia e lixo eletrônico

O tipo de energia usada também conta e muito. Principalmente quando falamos de energia poluente e não renovável, como é o caso da maior parte da energia usada na rede Bitcoin.

Cerca de 65% das instalações de mineração estão localizadas em regiões (principalmente na China) que dependem de instalações de carvão ou hidroeletricidade. O Cambridge Center for Alternative Finance estima que o carvão seja responsável por 38% da energia mineira do Bitcoin.

A energia consumida também pode resultar em 90,2 milhões de toneladas métricas de CO2 que, além de comparável à pegada de carbono de Londres ou ao consumo de energia de nações como a Holanda ou Paquistão, também excederia a quantidade total de emissões anuais relacionadas à mineração de ouro, estimada em 81 milhões de toneladas métricas de CO2.

Uma única transação de Bitcoin tem, em média, uma pegada de carbono de 549,74 kg CO2 – o equivalente a 91.624 horas de visualizações no Youtube ou ao consumo de energia de uma casa média nos Estados Unidos durante 39,67 dias. Ou pense, em vez disso, que a quantidade de eletricidade consumida pela rede Bitcoin em um ano poderia abastecer todas as chaleiras usadas para ferver água por 30 anos no Reino Unido.

Tá bom ou quer mais?

Infelizmente, as negativas do não param por aí. A rede Bitcoin também gera quantidades significativas de lixo eletrônico porque a mineração é feita com hardware especializado que se torna obsoleto a cada 1,5 anos. Dispositivos de mineração também contribuem para a atual escassez global de chips, competindo pelos mesmos chips que eletrônicos pessoais e veículos elétricos, que desempenham um papel essencial no combate às mudanças climáticas.

Prevenindo mais danos

Felizmente, não é impossível para os órgãos reguladores impedirem isso. Embora possa ser uma moeda descentralizada, muitos aspectos do ecossistema que o cerca não são. Os mineiros em grande escala podem ser facilmente visados ​​com tarifas de eletricidade mais altas, moratórias ou, no caso mais extremo, confisco do equipamento usado. Além disso, a cadeia de suprimentos de dispositivos de mineração Bitcoin especializados está concentrada apenas em um punhado de empresas e os fabricantes poderiam ser sobrecarregados com impostos adicionais, como as empresas de tabaco, ou ter seu acesso limitado à produção de chips, por exemplo. Os formuladores de políticas podem ser ainda mais restritivos a certas criptomoedas, barrando-as de mercados centralizados de ativos digitais.

Bitcoin e energia renovável

O impacto negativo do Bitcoin no meio ambiente não seria facilmente corrigido se a rede que abastece os mineiros fosse alimentada por energia renovável? Não exatamente.

A menos que haja excesso de capacidade de energia com zero de carbono, mesmo a escassez de eletricidade renovável leva à escassez nas áreas da rede ao redor, que geralmente são cobertas por recursos de combustível fóssil.

O esforço coletivo precisa se concentrar na redução de nossa conta de energia, e não apenas na substituição por fontes mais verdes. Isso significa evitar gastos desnecessários de energia. Além disso, uma vez que os impactos ambientais do Bitcoin não podem ser corrigidos com energia renovável, e considerando seus outros impactos, é difícil defendê-lo de uma perspectiva de sustentabilidade. Tudo isso abre espaço para outra questão: esses efeitos negativos sobre o meio ambiente valem seus benefícios? Fica aqui a reflexão.