Estudo adverte sobre aumento “inimaginável” do nível do mar

100 views

É o que vai acontecer se o mundo não cumprir as metas do Acordo de Paris

Um novo estudo publicado no dia 5 de maio na revista Nature adverte que, se os governos mundiais não cumprirem as metas de aquecimento estabelecidas pelo Acordo Climático de Paris, o aumento do nível do mar aumentará a uma taxa “extremamente rápida e imparável” nas próximas décadas.

De autoria de pesquisadores da Universidade de Massachusetts Amherst, o novo artigo conclui que se o aquecimento global continuar como está – dirigindo-se para 3° Celsius acima dos níveis da era pré-industrial – o derretimento da Antártica atingirá um ponto crítico em 2060, além do qual as consequências seriam “irreversíveis em escalas de tempo de vários séculos”.

“Se o mundo aquecer a um ritmo ditado pelas políticas atuais, veremos o sistema antártico começar a se distanciar de nós por volta de 2060”, disse Robert DeConto, o principal autor do estudo, ao The Guardian. “Uma vez que a superfície terrestre seja aquecida a ponto das calotas polares derreterem, se torna impossível que volte a seu estado natural.”

“São realmente as próximas décadas que determinarão o aumento do nível do mar na Antártica”, acrescentou DeConto. “Essas calotas polares não serão capazes de se formar novamente.”

Descobertas

Os pesquisadores descobriram que, se a meta mais otimista de Paris (de não ultrapassar mais que 1,5° Celsius de aquecimento até o final do século) for alcançada, a camada de gelo da Antártica contribuirá com cerca de seis centímetros de aumento do nível do mar até 2100.

“Mas se o curso atual em direção aos 3 graus for mantido, o modelo aponta para um grande salto no derretimento”, alerta o estudo. “A menos que uma ação ambiciosa para controlar o aquecimento comece em 2060, nenhuma intervenção humana, incluindo a geoengenharia, seria capaz de impedir o aumento de 17 a 21 centímetros do nível do mar devido ao derretimento do gelo da Antártida apenas em 2100.”

Em um cenário em que nenhuma ação adicional é tomada para limitar as emissões de gases de efeito estufa que causam o aquecimento do planeta, o derretimento da Antártica contribuiria com um aumento de 10 metros ou mais no nível do mar em 2.300.

“Se não fizermos nada para reduzir as emissões, podemos obter cinco metros de elevação do nível do mar apenas com o derretimento da Antártica até 2200, ponto em que seria necessário remapear o mundo conforme o espaço restante”, disse DeConto. “Seria inimaginável.”

O estudo foi divulgado dias depois do presidente dos EUA, Joe Biden, sediar uma cúpula do clima com 40 líderes mundiais para discutir maneiras de alinhar o mundo com as metas do acordo de Paris. Biden, por sua vez, prometeu cortar as emissões dos EUA em pelo menos 50% abaixo dos níveis de 2005 até o final da década – uma meta que os ativistas do clima julgaram longe de ser suficiente.

“A ciência e a justiça exigem que reduzamos as emissões em 70% dos níveis de 2005 até 2030 no caminho para emissões zero até meados do século”, disse Janet Redman, do Greenpeace EUA, no mês passado. “A Casa Branca pode fazer isso removendo os subsídios do governo às empresas de combustíveis fósseis, investindo em uma recuperação econômica justa e sustentável e interrompendo acordos de compensação de carbono”.