Universidade de Odontologia cria estação para reciclar amálgama

473 Visualizações
Universidade federal fluminense (UFF) De acordo com pesquisas, 10% do mercúrio produzido no mundo são de uso odontológico.

A Universidade Federal Fluminense (campus Nova Friburgo) – UFF lançou neste último mês o projeto de reciclagem de mercúrio odontológico, pioneiro no Brasil. Através de uma estação de tratamento para a amálgama dental recolhida, a instituição garante o descarte ambientalmente correto de 95% deste mercúrio (evitando que esses resíduos sejam despejados em locais inapropriados).

A estação de tratamento e reciclagem dos resíduos já está em funcionamento, atuando em toda a rede de consultórios odontológicos da UFF. No total, são 95 unidades que já participam deste novo processo. O projeto chega com o objetivo de fortalecer o Tratado assinado de Minimata, organizado pela ONU, que alerta sobre os perigos da amálgama para a saúde e o meio ambiente.

Durante o desenvolvimento da estação, a universidade contou com a parceria da instituição norte-americana Dental Recycling International (DRI), e continuam objetivando seus estudos para aprimorar o manuseio do mercúrio odontológico e melhorar todas as etapas do tratamento.

Pesquisadores indicam que 10% do mercúrio produzido no mundo são de uso odontológico, sendo responsável por 50% do descarte deste elemento – o que torna a questão ainda mais importante, por conta dos males que podem ser causados a partir do mercúrio. Os responsáveis continuam trabalhando no projeto, para, assim, garantir que os resíduos sejam descartados corretamente.

A expectativa é de que novos projetos sejam estudados pelas universidades brasileiras e novas parcerias possam ser criadas para a resolução de outras importantes questões ambientais.