Empresas criam tênis feito com chiclete

990 Visualizações

Você provavelmente já deve ter pisado com seu tênis em um chiclete na rua, não é mesmo? Não só você, mas milhares de pessoas já foram vítimas deste problema global.

O gasto para a limpeza dessa sujeira é de milhões de euros por ano, sem contar, que o chiclete demora em torno de 20 a 25 anos para começar a se decompor, o que é um grande problema ambiental.

Pensando nisso, três organizações de Amsterdã, a Iamsterdam, a empresa de design Explicit Wear e a de sustentabilidade Gumdrop, resolveram se unir para juntos criar um tênis com o chiclete reciclado.

As três criaram o Gumshoe, tênis cujas solas são feitas com os chicletes retirados das ruas. Um quilo das gomas já é o suficiente para solar quatro pares do modelo, o resto é composto por couro.

Segundo o porta-voz do projeto, Jonathan Van Loon, a iniciativa foi um modo de alertar as pessoas sobre esse problema, criando algo que elas realmente queiram, feito com uma matéria-prima que ninguém se importa.

O tênis Gumshoe

O tênis possui a sola composta por recicláveis, conhecida como Gum-Tec, feitos com 20% do chiclete. Os compostos Gum-Tec são transformados em pequenos grãos, sendo moldados no solado.

Segundo as instituições, é possível criar sapato a partir da goma, pois um dos principais ingredientes é a borracha sintética, que pode ser decomposta por técnicas já conhecidas de reciclagem.

Os três possuem até mesmo o cheiro de chiclete, a única diferença é que não é grudento. O Gumshoe é o primeiro calçado do mundo a utilizar chiclete reciclado em seu processo de fabricação.

Além disso, na sola do tênis há um mapa da cidade de Amsterdã com os locais onde foram retirados os chicletes. Inclusive, as empresas pretendem criar produtos semelhantes em outras cidades do mundo nas quais também exista esse problema.

A ideia é criar um plano de ressolamento, de forma que quando o tênis estiver gasto, os donos o leve para receber uma nova sola feita do chiclete reciclado. O intuito é dar mais publicidade ao problema, para que com o tempo surjam mais aplicações para o novo material.