Vulnerabilidade climática do setor energético é tema de relatório do CME

356 views
pacgov Hidrelétrica.

As fontes de energia estão potencialmente sujeitas aos impactos das mudanças climáticas. Secas prolongadas, tempestades e, também, outros fenômenos, como tsunamis, furacões e terremotos em alta escala, representam um risco, já que podem prejudicar a geração e a distribuição de eletricidade.

Apesar do problema, um relatório divulgado pelo Conselho Mundial de Energia (CME) em junho, intitulado “Mudanças climáticas: mudanças para o setor energético”, produzido pela Universidade de Cambridge em parceria com a Fundação Européia do Clima, revelou que poucos países que avaliam as consequências das mudanças climáticas na hora de fazer investimentos de infraestrutura energética.

O documento aponta que o setor apresenta apenas ações de redução de emissões de gases do efeito estufa. No entanto, alerta que só isso não é suficiente e que é necessário, entre outras coisas, diversificar as fontes de energia, em especial a promoção de mais instalações renováveis e nucleares.

Neste sentido, o relatório aponta que é preciso redirecionar os investimentos a fim de buscar uma maior resiliência climática. A título de exemplo, o documento cita a modernização de termoelétricas, que apesar de mitigar as emissões, deveriam focar na melhoria dos sistemas de resfriamento: assim se utilizaria menos água, um recurso cada vez mais precioso.

Além disso, o conteúdo traz a necessidade da multiplicação de smart grids, já que estas permitem uma grande eficiência energética e facilitam os consertos em caso de quedas no sistema devido a eventos extremos.

Brasil é alvo de análise da EIA

Nelson Antoine/Fotoarena/Estadão Conteúdo Sistema Cantareira – reservatório em Bragança Paulista.

No mesmo período, a Administração de Informação sobre Energia (EIA) dos Estados Unidos, divulgou uma análise destacando a dependência do Brasil das hidroelétricas. De acordo com os dados, a energia do país conta com 75% de participação de hidroeletricidade.

A EIA destaca ainda que o Brasil enfrenta um grande problema por ter usinas distantes dos centros de consumo. Ou seja, a energia gerada na Amazônia, por exemplo, precisa ser transmitida por milhares de quilômetros até chegar no Sul e Sudeste.

Outro ponto de atenção na análise é a de que o país está enfrentando sua pior seca dos últimos 40 anos, o que já teria contribuído para apagões em muitas regiões e racionamentos, o que demonstra a dependência.