Saiba quais são os tipos de poluição de ar mais comuns nas grandes cidades

1.933 Visualizações
A poluição do ar nas grandes cidades são formadas por fontes fixas, móveis e agrossilvipastoris.

A poluição das grandes cidades oferece um grande risco para a população e para o meio ambiente como um todo. Estima-se uma média de dois milhões de pessoas tenham problemas respiratórios que foram diretamente causados pela má qualidade do ar, sendo que a queima de combustíveis fósseis do petróleo é a principal fonte de poluição — seguido pelo carvão mineral.

A alta concentração de substâncias compostas por gases com partículas sólidas ou líquidas, combustível energético e material biológico torna o ar tóxico e nocivo à saúde. Os poluentes atmosféricos nunca estiveram tão presentes na camada atmosférica, especialmente no ar dos grandes centros urbanos.

Como é formada a poluição do ar?

A poluição do ar pode ser causada por fontes naturais presentes em vulcões e neblinas, porém a forma mais preocupante deste tipo de poluição é a formada por fontes artificiais. No entanto, a poluição do ar não é uma exclusividade dos tempos modernos — já que existia em menor proporção desde a Antiguidade, por conta da queima de madeira e outros materiais.

Essas queimas não eram muito preocupantes até a Revolução Industrial, que ampliou em proporções gigantescas a intensidade de combustão do carvão e de combustíveis gerados pelo petróleo. O desenvolvimento da indústria no mundo é proporcional ao da poluição das grandes cidades, onde são despejadas toneladas de poluentes do ar.

A queima de carvão mineral causou milhares de mortes da população na época, que culminou com o Big Smoke, um evento que teve como saldo a morte de oito mil pessoas em Londres, além de mais de cem mil doentes. As partículas de carvão se uniam aos compostos de enxofre e eram dispersas ainda mais pelas condições climáticas.

A poluição do ar vem alterando as temperaturas globais, fator que contribui com o aumento do nível dos mares, da temperatura e do efeito estufa. Atitudes punitivas e preventivas — como estipular limites dos níveis de poluição urbana, ter critérios mais rigorosos para as normas de emissão de gases, uso de equipamentos que reduzam os níveis de gases, controle da qualidade de ar e reflorestamento das áreas queimadas — são alguns dos procedimentos que precisam ou já estão sendo feitos.

Como agem os tipos de poluição mais comuns nas grandes cidades?

No Brasil, as principais fontes de poluição do ar são fixas, móveis e agrossilvipastoris. Na fixa, estão as indústrias, mineração e produção de energia. As fontes móveis são formadas pelos veículos automotores, enquanto as agrossilvipastoris estão relacionadas principalmente aos incêndios florestais.

Da mesma forma que o carvão mineral foi o principal poluente das grandes cidades do século XVIII, o combustível derivado do petróleo impera atualmente. Presente tanto no tipo de poluição fixa quanto na móvel, sua queima gera grandes quantidades de monóxido e dióxido de carbono na atmosfera. Sua mistura com oxigênio é extremamente perigosa para a saúde, prejudicando o sistema respiratório e circulatório.

Hoje, há legislações que orientam as indústrias a respeito da forma como elas devem liberar as substâncias tóxicas. Mesmo ainda sendo necessárias muitas modificações e melhorias, houve avanços significativos. A poluição móvel é hoje a mais preocupante, já que os carros são considerados responsáveis por 90% da atual poluição nos grandes centros urbanos.

A poluição agrossilvipastoril é ligada à agricultura, pecuária e silvicultura. As queimadas poluem o ar com substâncias muito nocivas à saúde e ao meio ambiente, misturadas aos agrotóxicos usados. O problema vem sendo muito discutido, na busca de leis mais severas e fiscalização que impeçam e punam as queimadas.

Imagem: rootstocks / iStock / Getty Images Plus