Patagônia Chilena sofre consequências do aquecimento global

700 views
© Depositphotos.com / zhukovsky Várias geleiras dos Andes e Patagônia estão encolhendo de forma visível.

Os efeitos do aquecimento global preocupam a sociedade há muito tempo e, mesmo com a realização de ações preventivas e de conscientização pelo mundo, as consequências continuam a afetar significativamente o meio ambiente. É o caso da redução de diversas geleiras pelo mundo, como na Patagônia Chilena.

O que é o aquecimento global?

Causado principalmente pelas emissões e concentração de gases poluentes do efeito estufa desde a Revolução Industrial, nos séculos XVIII e XIX, o aquecimento global tem provocado o aumento da temperatura no planeta, a taxa de evaporação das águas oceânicas e a passagem da luz solar.

Essa emissão acontece em consequência do consumo de combustíveis fósseis, como carvão mineral, petróleo e gás natural, e também dos desmatamentos e queimadas, que liberam dióxido de carbono (CO2), ozônio (O3), metano (CH4) e óxido nitroso (N2O).

Efeitos na Patagônia

© Depositphotos.com / ribeiroantonio

Os campos de gelo dos Andes é uma das áreas mais afetadas pela elevação das temperaturas globais, como visto na geleira Pio XI, na Patagônia Chilena, que se retraiu consideravelmente nos últimos 17 anos.

Segundo o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), relacionado a ONU, a temperatura da Patagônia aumentou de 0,2ºC a 0,45ºC por década desde 1950, acima da média global no último século, que foi de 0,8ºC.

Como consequência, várias geleiras da região Sul dos Andes estão encolhendo. Os Campos de Gelo Norte e Sul, remanescentes da última era glacial, estão perdendo massa e contribuindo para o aumento do nível do mar, gerando um desequilíbrio ambiental nos oceanos e afetando a biodiversidade marinha.

Segundo pesquisa do Centro de Estudos Científicos (CECs) do Chile, o glaciar Jorge Montt, localizado no Campo do Gelo Sul da Patagônia Chilena, retrocedeu 1 km em um ano, resultando em mudanças geográficas nos mais de 13.000 km2 daquela área, considerada a terceira maior superfície congelada do planeta, depois da Antártida e da Groenlândia.

Outro caso preocupante é que, em maio de 2007, um lago no Sudeste chileno desapareceu rapidamente depois que a geleira Tempano, que funcionava como uma represa, derreteu e se desestabilizou.

Além disso, o nível pluviométrico está diminuindo no Sul da Patagônia, onde se encontram muitas represas hidroelétricas do Chile.

Os países vizinhos também estão sofrendo com o aquecimento global. A Argentina convive com secas próximas dos Andes e, na Bolívia, houve o encolhimento de geleiras, ameaçando o fornecimento de água em algumas cidades.

Cientistas já alertam que, se o derretimento continuar no mesmo ritmo atual, as geleiras da Patagônia desaparecerão em cerca de 20 ou 30 anos.

Outras consequências do aquecimento global

Além da diminuição das geleiras pelo mundo, o aquecimento global ainda tem efeitos nas estações do ano, que não são mais tão demarcadas; o aumento do nível dos oceanos, que avançam sobre ilhas e cidades litorâneas; a alteração do padrão de chuvas, resultando em secas em determinadas regiões e inundações em outras; a extinção de várias espécies animais e vegetais; furacões, maremotos, terremotos, tsunamis e tantos outros danos muitas vezes incalculáveis para o planeta.