Nível de concentração de gases de efeito estufa bate recorde em 2014

413 Visualizações
iStockphoto.com / pro6x7 Apesar das campanhas, concentração de gases foi o mais alto da história.

Um dos assuntos mais comentados nos últimos anos em todo o mundo é o aquecimento global provocado pelo efeito estufa. Não é de hoje que políticos, celebridades e até mesmo as pessoas comuns no dia a dia discutem o tema e buscam alternativas para tentar frear a liberação de gases tóxicos na atmosfera, justamente o que provoca o aumento da temperatura no Planeta Terra. De fato muitos avanços foram conquistados em diferentes partes do mundo, porém o cenário está bem longe do ideal e, em alguns casos, ainda pior do que no passado.

Somente em 2014, o nível de concentração de gases de efeito estufa atingiu a maior alta em toda a história, mesmo com todas as campanhas de conscientização e acordos firmados entre as nações. Segundo a OMM (Organização Meteorológica Mundial), este resultado não poderia ser pior para quem vive hoje na Terra e também para as futuras gerações. “A cada ano dizemos que o prazo está se esgotando. Temos que agir agora para reduzir as emissões de gases do efeito estufa se quisermos ter uma chance de manter o aumento da temperatura em níveis administráveis”, afirmou Michel Jarraud, secretário-geral da OMM.

Concentração elevada de dióxido de carbono

O relatório anual da OMM revelou uma elevação preocupante de dióxido de carbono na atmosfera em 2014, justamente o principal gás causador do efeito estufa. Somente no ano passado, a medição registrou 400 ppm (partes por milhão) do gás na atmosfera, um recorde dentro do monitoramento que é feito desde 1984. Resultado foi registrado no hemisfério norte no começo de 2014 e também nos primeiros meses de 2015.

iStockphoto.com / narloch-liberra Alta concentração de gases pode resultar em problemas como ondas de calor e derretimento de gelo.

“Logo 400 ppm será uma realidade permanente. Isso significa temperaturas mais quentes no mundo, eventos climáticos mais extremos, como ondas de calor e inundações, derretimento de gelo, elevação do nível do mar e aumento da acidez dos oceanos. Isto está acontecendo agora e estamos nos movendo em território desconhecido em uma velocidade assustadora”, disse Jarraud.

Efeito Estufa: outros gases também preocupam

Além do gás mais conhecido quando falamos em efeito estufa, o dióxido de carbono, outros dois principais gases que elevam a temperatura da Terra também apresentaram níveis altos em 2014: o óxido nitroso e metano. O primeiro gás alcançou 327,1 ppb (partes por bilhão) e o segundo, 1.883 ppb, sendo estes resultados os que apresentaram o aumento mais rápido de concentração destes gases na última década. Outro ponto importante divulgado pela OMM é que, segundo cientistas climáticos da ONU, esta concentração de gases em 2014 é maior do Planeta Terra em 800 mil anos pelo menos.

Soluções para o presente e futuro

Uma coalização de mais de 150 países com liderança dos EUA e China (maiores emissores de gases tóxicos) recentemente divulgou a intenção de reduzir as emissões de gases de efeito estufa em um futuro próximo, começando em 2020. Todavia, mesmo com esta iniciativa, a redução estipulada não será suficiente para alcançar a meta traçada em 2010, de um acréscimo de pelo menos 2°C na temperatura, isto em relação ao clima antes da revolução industrial.

Para tentar acelerar as políticas contra as emissões dos gases causadores do efeito estufa, será realizada no dia 30 de novembro a Conferência de Paris (COP-21) e a Convenção do Clima da Organização das Nações Unidas (UNFCCC). No encontro as principais lideranças governamentais irão apresentar propostas para amenizar o impacto da produção humana no meio ambiente.