Inglaterra proíbe distribuição gratuita de plástico

292 views
iStockphoto.com / daizuoxin Consumidor terá de pagar, caso queira levar uma sacola para casa.

Uma das principais invenções da humanidade e que revolucionou a produção e consumo no século XX, o plástico também é um dos grandes vilões quando falamos em sustentabilidade. O motivo? Qualquer coisa fabricada em plástico leva muitos anos para ser absorvida pela natureza. Neste meio tempo, o plástico pode poluir rios, mares, florestas e contaminar ecossistemas até então saudáveis. No Brasil, esta discussão ganhou mais força quando a questão das sacolinhas plásticas foi levantada… Muita gente concordou, outras pessoas nem tanto, mas o fato é que o assunto teve destaque.

Na Inglaterra, por exemplo, os consumidores terão que pagar alguns centavos (5 pence) para cada sacolinha de supermercado que desejam levar para casa. A medida vai de encontro ao aumento da quantidade de sacolas plásticas fornecidas pelos maiores supermercados britânicos no último ano, passando de 200 milhões de unidades para 7,6 bilhões.

Segundo a nova regulamentação, este valor economizado pelos estabelecimentos deverá ser em parte gasto em ações sociais e ambientais. A expectativa do governo da Inglaterra é reduzir em até 80% a quantidade de plástico utilizada para produção das famosas e controversas sacolinhas.

Opinião dos consumidores

O site da BBC divulgou o parecer de alguns consumidores sobre o assunto: “Eu posso ver a lógica em cobrar por sacolas de supermercado, mas se eu comprar um livro ou roupas, como vou conseguir levar até minha casa?”, disse Brenda Chapman. “Muito feliz com a taxa para sacos de plástico, eles nunca deveriam ter sido introduzidos, em primeiro lugar. Um desastre ambiental que eles provaram ser”, complementou Raymond de Bedford.

Ainda neste campo, um levantamento da organização Break the Habit revelou que mais de 60% dos ingleses acham aceitável pagar esta pequena taxa para o uso das sacolinhas plásticas, pois assim a tendência é que a produção do plástico reduza nos próximos anos.

Cobrança para grandes redes e exemplos dos vizinhos

A nova regulamentação de taxação sobre cada sacolinha plástica é exclusivamente para supermercados com mais de 250 empregados. Estabelecimentos de pequeno porte não precisarão cobrar por cada unidade, assim como os consumidores que comprem aves, carne crua, peixes, medicamentos de prescrição, batatas, flores e outros produtos frescos.

Segundo Alice Ellison, da British Retail Consortium, estas ressalvas passam “uma mensagem confusa aos clientes, pois em todo o Reino Unido é cobrada a taxa sem exceção”.

Dentro do próprio Reino Unido, a mudança já apresenta resultados significativos. No País de Gales, por exemplo, desde 2011 é cobrada a mesma taxa em cima de cada sacolinha plástica e isso já reduziu em 70% o uso. Na Irlanda do Norte e Escócia, a mesma medida entrou em vigor em 2013 e ano após ano a utilização de sacolinhas pelos cidadãos também vem caindo.