Animais usados para fabricação de vacinas: o que está sendo feito para ajudar

229 views

É bem provável que você saiba que a produção de vacinas, medicamentos injetáveis ​​e dispositivos médicos depende do uso de animais, não apenas dentro dos laboratórios, mas também na natureza. O que talvez seja novidade para os nossos leitores é que um dos principais testes envolve o sangue de um animal em especial: o do caranguejo-ferradura.

A produção de vacinas impulsionada numa escala gigantesca pela pandemia da covid-19 coloca cientistas, ativistas e a população em geral de frente a um dilema ético: até que ponto o sofrimento animal é justificável em prol de tratamentos potencialmente salvadores?

Como são usados os caranguejos-ferradura?

Os caranguejos-ferradura são encontrados na costa leste dos EUA e ao redor do Golfo do México. A cada ano, mais de 500 mil são capturados e levados para laboratórios, onde até 40% de seu sangue azul brilhante é retirado para detectar endotoxinas, uma substância liberada quando morrem as bactérias e que é muito perigosa em contato com a corrente sanguínea. O sangue do caranguejo contém células que reagem quando essas toxinas estão presentes.

Infelizmente, essa prática não é favorável ao bem-estar animal. Os caranguejos são capturados e mantidos fora da água enquanto são transportados para o laboratório. Eles são colocados em um suporte e uma agulha é inserida no tecido ao redor de seu coração para que o sangue seja drenado. Durante o processo, eles podem ser esmagados ou feridos. Os caranguejos são então devolvidos à natureza – mas acredita-se que até um terço pode morrer.

É bastante provável que os caranguejos passem por angústia e sofrimento ao longo desse processo, mas, infelizmente, muita gente não acredita que eles possam sofrer. Para piorar, eles não são cobertos pelas leis de proteção animal.

O bem-estar animal e os impactos à natureza

Desde que o potencial médico da espécie foi descoberto e se tornou o padrão da indústria para a detecção de contaminantes bacterianos na década de 1970, estima-se que 50 mil deles morreram no processo e a interferência humana também significa que a espécie agora está vulnerável à extinção. O número encontrado na natureza está diminuindo, o que afeta as aves limícolas que dependem dos ovos do caranguejo-ferradura como principal fonte de alimento.

Conforme a demanda global por medicamentos e vacinas cresce, é provável que essa prática se torne insustentável. E esse é um problema que afeta a todos nós porque qualquer pessoa que recebeu uma injeção é consumidor de sangue de caranguejo-ferradura, independentemente de como se sente a respeito de pesquisas e testes em animais.

Quais são as alternativas?

A pergunta de um milhão de dólares é: o que pode ser feito para ajudar os caranguejos-ferradura? A solução mais promissora é uma alternativa chamada teste de rFC, que não usa animais e pode até substituir totalmente o sangue do caranguejo-ferradura.

O teste de rFC existe desde 2003, mas há debates sobre como ele pode detectar impurezas e nem todos os órgãos reguladores o aceitam como um teste substituto. Outros testes alternativos que não utilizam animais também estão sendo desenvolvidos, e novas tecnologias podem ser utilizadas para reduzir a quantidade de sangue necessária. A boa notícia é que o progresso está realmente acontecendo.

Além de descobrir novas alternativas para o teste com sangue de caranguejo, é vital que sejam tomadas medidas para reduzir qualquer sofrimento potencial que os caranguejos possam experimentar. Isso poderia ser conseguido manipulando-os com mais cuidado, mantendo-os fora da água por períodos mais curtos e retirando menos sangue de cada indivíduo. Ativistas acreditam que essas mudanças simples podem reduzir pela metade o número de mortes de caranguejos após a captura e remoção de sangue.

Embora essas mudanças sejam um passo na direção certa, há muito a ser feito. Como o sangue do caranguejo-ferradura é usado há muito tempo, é possível que haja debates sobre se a segurança do rFC mesmo após aprovação regulatória.

Por isso, até que eles possam ser completamente substituídos, é realmente importante que haja mais reconhecimento da necessidade de tratar esses animais ​​com mais respeito e cuidado, pensar sobre seu bem-estar e se comprometer a proteger seus números na natureza.

Fontes: RSPCA | Euronews