Fraldas de pano modernas: uma solução sustentável e confortável para os bebês

918 Visualizações
Fralda de pano
Foto: potencialgestante

Parece coisa do passado, mas quando o assunto é economia, sustentabilidade e saúde dos bebês, as fraldas de pano roubam a cena e voltam a ser a queridinha da geração, quatro décadas depois. O fato é que muitas mães têm optado pelos velhos hábitos por bons motivos: são reutilizáveis, evitam o desperdício, são livres de substâncias poluentes originárias do petróleo e diminuem a incidência de assaduras ou dermatites.

Engana-se quem acha que, apesar de antiga, a técnica continua a mesma. Os alfinetes foram substituídos por velcros e botões, e as dobras triangulares ganharam um formato mais moderno, semelhantes às descartáveis. Tudo para facilitar a vida das mães e para evitar o vazamento. Até forros, que dão uma proteção extra, podem ser encontrados à venda.

As vantagens da fralda ecológica, se colocadas na ponta do lápis, podem representar uma boa economia. Um bebê de até 5 kg utiliza cerca de oito fraldas descartáveis ao dia que, depois de usadas, vão direto para os aterros sanitários. Ao mês, esse total pode subir para 240. Já 60 fraldas de tecido por semana são suficientes e você ainda pode utilizá-las por até 100 vezes (dois anos).

Vamos aos números para este cálculo ficar mais real: um pacote de fralda descartável com 52 unidades, tamanho médio, custa cerca de R$ 35. Ao ano, são gastos R$ 1.680 (sem considerar as alterações de tamanho). Já as fraldas de tecido ecológico custam, em média, R$ 30 cada.

• 2 anos de fralda descartável: R$ 3.360

• 2 anos de fralda ecológica (60 unidades): R$ 1.800

• Economia de R$ 1.560, equivalente a 54%.

Fraldas de pano
Foto: mamaenatural

Além disso, o plástico pode levar até 500 anos para se decompor, enquanto o tecido leva apenas um ano.

Mas é preciso ficar atento com a higiene das fraldas de pano. Elas precisam ser lavadas com sabão neutro (o de coco é a melhor opção) e enxaguadas várias vezes, até ter certeza de que todo o produto saiu. Usar água quente e colocar para quarar facilitam na remoção do cocô e o vinagre no cheio. Os modelos modernos dispensam o uso do ferro e podem ser lavados na máquina. Embora seja um processo trabalhoso, que demanda mais tempo e atenção, a pele do bebê, o meio ambiente e o seu bolso agradecem.