Telescópio gigante permitirá ver distâncias não alcançadas do universo

356 Visualizações
Telescópio Europeu Extremamente Grande (E-ELT)

O Telescópio Europeu Extremamente Grande (E-ELT) possui uma cúpula com 100 metros de altura que está sendo construída no topo de uma montanha no Chile, a 3.060 metros de altitude. Ele terá ainda um espelho principal de 39 metros que poderá captar mais luz do que todos os telescópios de 8 a 10 metros do planeta somados.

Segundo o Observatório Europeu do Sul (ESO), responsável pelo gigante, o E-ELT será 100 milhões de vezes mais sensível à luz do que o olho humano, e 26 vezes mais sensível do que cada um dos Very Large Telescopes que são os outros telescópios pertencentes ao ESO e que também se encontram no Chile.

Quanto mais sensível à luz for um telescópio, mais ele permite ver do espaço. Isso ocorre porque a luz viaja a cerca de 300.000 km/s, desta forma galáxias muito distantes podem levar milhões de anos para chegar até nós. Quanto maior a capacidade de recepção de luz do aparelho, maior será a distância que ele consegue captar.

O E-ELT será capaz de corrigir distorções atmosféricas, fornecendo imagens 15 vezes mais nítidas do que as obtidas pelo telescópio espacial Hubble. Essa precisão maior auxiliará no estudo de detalhes dos planetas que se desenvolvem ao redor de outras estrelas. Será possível também analisar mais detalhadamente buracos negros gigantes, matéria escura e energia escura que ocupam grande parte do Universo.

Este ano, a Câmara dos Deputados aprovou a entrada do Brasil no grupo de países que compõem o ESO. No acordo, nós seríamos coproprietários do E-ELT. O custo da entrada no projeto é alto: 270 milhões de euros, ou 945 milhões de reais, até 2021. O projeto agora está nas mãos do Senado. A inauguração do E-ELT está prevista para 2024.

Outros projetos de grande porte também estão em andamento, como o Telescópio Gigante de Magalhães, também no Chile, o Telescópio de Trinta Metros, localizado no Havaí, e o Telescópio Espacial James Webb. que ficará pronto primeiro, já em 2018 e permitirá ver o espaço 200 milhões de anos após o Big Bang.

Confira as imagens criadas pelo ESO para ter uma ideia do tamanho do E-ELT se comparado a monumentos como as Pirâmides de Gizé, o Coliseu e a Estátua da Liberdade:

Reprodução
Reprodução
Reprodução