Panasonic anuncia ter produzido painel solar mais eficiente do mundo

296 views
iStockphoto.com / Sean824 Novo painel oferece 22,5% de eficiência.

A sociedade percebeu que não pode mais brincar com os recursos naturais do planeta e que medidas mais sérias devem ser tomadas em diversas áreas, como no caso da obtenção da energia. Aqui no Brasil, por exemplo, a esmagadora maioria da energia que recebemos em nossas casas ou que é utilizada na indústria, tem com origem as hidrelétricas. O problema está justamente no impacto ambiental da construção de hidrelétrica de grande porte… Até mesmo um ecossistema inteiro pode ser destruído para que a força das águas gere a energia elétrica que recebemos na cidade e no campo.

Uma das alternativas mais eficazes atualmente é o painel solar que capta a luz e a transforma em energia. Nesta linha e na busca por soluções cada vez mais sustentáveis, a gigante da tecnologia Panasonic anunciou a criação do painel solar mais eficiente de todo o mundo, superando a Elon Musk, Solar City. Segundo a empresa, o novo painel fotovoltaico apresenta 22,5% de eficiência em um módulo de tamanho comercial e foi construído com células solares que normalmente eram utilizadas em produção em grande escala.

“Este novo recorde contribui para a eficiência de 25,6% alcançado no ano passado a nível celular. O novo alcance demonstra mais uma vez o compromisso contínuo da Panasonic para mover a tecnologia solar avançada”, complementou o desenvolvedor de negócios sênior da Panasonic Eco Solutions Europe, Daniel Roca.

Painel solar mais eficiente do mundo

Na disputa com a SolarCity, em termos de eficiência, a Panasonic aparece na frente com um nível de 22,5% contra 22,04%. Para chegar a esta comprovação, testes foram realizados e auditados pela empresa Japanese National Institute of Advanced Industrial Science and Technology (AIST). Todavia, os painéis solares da Panasonic são mais caros porque utilizam camadas ainda mais finas de células solares, mas mesmo assim a empresa anunciou (ainda sem data) que pretende comercializar o produto no final de 2016 ou começo de 2017.