O crescimento das construções sustentáveis no Brasil

580 Visualizações
Eldorado Business Tower
Eldorado Business Tower. Foto: gbcbrasil

Com o setor de construção civil extremamente aquecido, o Brasil já ocupa a quarta posição no ranking mundial de construções sustentáveis. O primeiro prédio sustentável no país foi registrado pelo órgão internacional Green Building Council (GBC) no ano de 2004, mas o conceito só ganhou força em solo brasileiro a partir de 2007.

Atualmente, o Brasil conta com 526 empreendimentos sustentáveis, sendo 52 já certificados e mais 474 esperando análise da GBC. O ranking mundial é liderado pelos Estados Unidos, com um total de 40.262 construções sustentáveis; a China ocupa a segunda colocação, com 869; seguida pelos Emirados Árabes Unidos, com 767.

Segundo o Conselho Internacional de Construção, mais de 50% dos resíduos sólidos gerados por atividades humanas são originadas na construção civil. O setor é responsável por um alto consumo de recursos naturais e a utilização de energia elétrica em larga escala. Por este motivo, construções sustentáveis no Brasil são importantes para a preservação destes recursos naturais.

Para conseguir o selo, arquitetos e engenheiros precisam encontrar formas criativas de sustentabilidade em seus projetos. Entre outros requisitos, a diminuição do consumo de energia elétrica e da produção de resíduos é prioritária. Deste modo, o aproveitamento da luz natural e a preferência por eletrodomésticos econômicos são importantes.

Contudo, este tipo de empreendimento ainda enfrenta resistência por elevar o preço da obra, em média 5%. Apesar disto, a tendência é que com o passar do tempo e o aumento dos projetos sustentáveis, este custo caia.

Construção sustentável
Foto: redesul

A contrapartida das construções sustentáveis vem depois da obra estar pronta. Pode-se alcançar uma redução de 30% no consumo de energia elétrica e de 30% a 50% no consumo de água, além de diminuir a geração de resíduos. No final das contas, o custo operacional é 9% menor que em prédios regulares. Por isto as construtoras estão valorizando cada vez mais este tipo de empreendimento, o custo operacional equilibra a balança financeira quando se compara com o custo da obra por si só.