Artesãs do Recife transformam plástico em peças de decoração

39 views

Fazer mais pelo meio ambiente e viabilizar apoio financeiro à população. Foi com esses objetivos que a Cooperativa Palha de Arroz, no Recife, criou um projeto de reciclagem totalmente composto por mulheres que produzem e comercializam peças de decoração feitas com plástico retirado do meio ambiente.

Além de receberem bastante conhecimento sobre proteção ambiental, as cooperadas passam por um treinamento completo para aprenderem como lavar, cortar e colocar os recicláveis nas máquinas e a operar os equipamentos que darão nova vida ao plástico. Juntas, as artesãs decidem o será confeccionado e, todos os meses, transformam uma tonelada de embalagens de detergente, shampoo e sabão líquidos em peças de decoração, lixeiras, cestas, porta-lápis, fruteiras, porta-pães e jarros, entre outros objetos.

Foto: Instagram Palha de Arroz

O grupo opera em parceria com a Prefeitura local e todos os resíduos manuseados pela equipe vêm de limpeza urbana da cidade. Nenhum pigmento é usado para colorir os produtos. Todos são feitos com a cor do plástico que é reciclado. A mistura de cores vivas que compõem o degradê vem da habilidade das artesãs com o material. As peças ficam disponíveis na loja virtual da Palha de Arroz e custam em média 15 reais.

Foto: Instagram Palha de Arroz

A Palha de Arroz vem melhorando a gestão dos resíduos sólidos do Recife ao mesmo tempo em que faz a inclusão social de mulheres. Por isso, em setembro, o prefeito João Campos sancionou uma lei que transformou a cooperativa em Unidade de Utilidade Pública com imunidade tributária. Com isso, a instituição se fortalece como agente de transformação social e colabora para tornar a capital mais inclusiva e sustentável. A prefeitura está implantando máquinas de reaproveitamento lá e em outros sete locais que fazem este tipo de trabalho, para que possam produzir e comercializar ainda mais utensílios diversos para venda, aumentando a rentabilidade, incentivando a autonomia e o empreendedorismo.

Fontes: UOL | Mais da Vida nos Morros