Conheça 6 exemplos de embalagens ativas e suas vantagens

Os principais tipos de embalagens ativas são as antioxidantes, antimicrobianas e aromáticas

1 de novembro de 2017
publicado por
Redação

istock.com / Celiaaa Embalagem ativa tem como principal objetivo preservar a qualidade do produto e estender seu prazo de validade.

A impressão que o consumidor tem ao entrar em contato direto com o produto tem influência direta sobre sua decisão de compra. A embalagem atrai o olhar do consumidor, destaca as qualidades e benefícios do produto e traz informações técnicas como a composição do item, as instruções de uso, o prazo de validade e outros dados que podem ser importantes.

Existem algumas embalagens que interagem diretamente com o produto e foram desenvolvidas com a finalidade de prolongar a vida útil de itens perecíveis como carnes, laticínios, hortaliças, frutas e legumes. Trata-se da embalagem ativa.

Embalagem ativa: o que é?

A embalagem ativa tem a função de preservar a qualidade do produto e prolongar seu prazo de validade. Elas denominadas como “ativas” porque existe uma interação entre a embalagem e o produto. Alguns exemplos de embalagens ativas são as embalagens antioxidantes, antimicrobianas e embalagens aromáticas, que contêm substâncias que retardam processos orgânicos como o amadurecimento, deterioração ou contaminação de produtos.

Exemplos de embalagens ativas e como elas agem

Controle de oxigênio

Este tipo de embalagem contém um aditivo capaz de absorver o oxigênio, aumentando a vida útil de vários tipos de produtos alimentícios. Desse modo, ela possibilita o controle efetivo da atmosfera interna da embalagem, retardando o processo de deterioração dos produtos por efeito da oxidação.

Controle de etileno

O objetivo deste tipo de embalagem é eliminar o gás etileno, evitando que frutas, hortaliças e legumes continuem o processo de amadurecimento após a colheita. Dessa forma, esses produtos poderiam permanecer um tempo maior nas prateleiras e gôndolas ou chegar a mercados mais distantes dos produtores com a qualidade necessária para a venda.

Redução da umidade

O controle da umidade interna é fundamental para evitar a proliferação de microrganismos deteriorantes e/ou patogênicos. A embalagem ativa evita a condensação de água.

Emissão de etanol

Este tipo de embalagem ajuda a preservar produtos como pães e bolos. O sachê contido nesse tipo de embalagem absorve a umidade e libera vapor de etanol.

Emissão de dióxido de enxofre

Inibe o desenvolvimento fungos que estragam as frutas e ajuda a controlar doenças que surgem durante o período de armazenagem.

Ação antimicrobiana

A embalagem ativa pode liberar agentes antimicrobianos que protegem produtos perecíveis como queijos, carnes e peixes frescos. Com isso, é possível preservar a qualidade desses alimentos. O processo pode ocorrer por reação de enzimas, química, evaporação ou difusão de aditivos a partir da embalagem ativa.

Embalagem inteligente

Além da embalagem ativa, outro avanço é a embalagem inteligente. Embora esta ainda não seja uma realidade para a produção em larga escala no mercado brasileiro, esta é uma solução que já existe em países desenvolvidos como os Estados Unidos e Japão.

A embalagem inteligente fornece informações sobre alterações químicas, oscilações de temperatura e a qualidade do produto. Para isso, ela contém sensores que monitoram fatores que podem alterar a qualidade do produto, como as temperaturas da central de distribuição até o consumidor final. A embalagem também possui um selo que mostra as modificações na qualidade do produto.

No Brasil e no mundo, há várias pesquisas voltadas ao desenvolvimento de embalagens ativas e inteligentes, capazes de prolongar a vida de produtos alimentícios, oferecendo ao consumidor mais segurança na hora da compra. A aparência geral do produto e o prazo de validade não são garantias absolutas de qualidade. Mas com as embalagens ativas e inteligentes, o consumidor terá mais informações antes de levar o produto para casa.