Home > Meio Ambiente > Brasil abriga 9% da fauna mundial

Brasil abriga 9% da fauna mundial

Governo Federal realizou levantamento detalhado para comprovar a grandeza e diversidade da fauna brasileira. Mais de 116 mil espécies foram catalogadas

12 de janeiro de 2016
publicado por
Redação

iStockphoto.com / johnandersonphoto Pelo levantamento, mais de 116 mil espécies vivem em todas as regiões brasileiras.

Sempre ouvimos falar que o Brasil possui uma das maiores biodiversidades de toda a Terra… Será que é verdade? Por aqui é impressionante a força da natureza nos mais variados ecossistemas, ou seja, da beleza do Pantanal à imponência da Amazônia, o Brasil é, sim, privilegiado quando pensamos em diversidade ambiental. São incontáveis espécies de plantas e animais que vivem em harmonia em todas as suas formas, cores e tamanho. Não é à toa que novas descobertas surgem todos os anos.

A novidade da vez é que o Governo Federal lançou oficialmente um parecer sobre diversidade ambiental. O resultado foi o esperado: o Brasil possui, sim, a maior biodiversidade do planeta e abriga 9% de toda a fauna mundial. O primeiro Catálogo Taxonômico da Fauna Brasileira apresenta de forma detalhada as mais de 116 mil espécies de animais que vivem em todas as regiões brasileiras. Trabalho de pesquisa envolveu 500 cientistas brasileiros e estrangeiros que catalogaram a biodiversidade da fauna tupiniquim em 28 categorias ao longo de dois anos.

Outro detalhe do estudo realizado em conjunto com os ministérios da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e Meio Ambiente (MMA) é que será possível adicionar, dentro de novas etapas do projeto, mais informações como distribuição, sinonímias, habitats e outros dados que revelam mais detalhes sobre as ecologias das espécies da fauna brasileira.

Importância do estudo sobre a biodiversidade brasileira

O mais claro benefício do estudo que comprovou a grandiosidade da biodiversidade brasileira é que através dele será possível realizar um trabalho mais preciso de preservação ambiental das espécies. “É uma busca por uma nova visão política para que a conservação da biodiversidade dialogue com a questão das áreas protegidas. Há um interesse de conciliação em um momento de convergência entre fauna, flora e territórios”, afirmou Izabella Texeira, ministra do Meio Ambiente.

Além de Izabella, o secretário Bráulio Dias, da Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB), também fez questão de falar sobre a importância de outra medida relacionada ao meio ambiente, o Acordo de Paris, estabelecida pelas nações na luta contra o aquecimento global. “As interfaces de clima e biodiversidade nunca estiveram tão presentes. A maior parte dá a devida atenção para a questão do uso da terra, no sentido de evitar o desmatamento e promover a restauração”, comemorou.

Acesso à informação

O Catálogo Taxonômico da Fauna Brasileira também é de grande valor por garantir o país como cumpridor da meta nacional de biodiversidade nº19, prevista para 2017, e que compreende a compilação e divulgação de todos os registros já feitos sobre a fauna, microbiota e flora no Brasil.

Projeto foi coordenado pelos professores Walter Boeger (responsável pelos invertebrados não-hexapoda), Hussam Zaher (responsável pela organização geral do catálogo e pela categoria dos vertebrados), José Albertino Rafael (responsável pelos invertebrados hexapoda), Michel Valim (responsável pelos Arthropoda não-hexapoda) e ainda contou com 58 coordenadores de grupos taxonômicos e também mais de 500 pesquisadores. Confira outros apoiadores:

• Sociedade Brasileira de Zoologia
• Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo
• Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia
• Universidade Federal do Paraná
• Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientifico e Tecnológico (CNPq)
• Jardim Botânico do Rio de Janeiro

O trabalho de organizar o sistema de dados, permitir o trabalho cooperativo entre especialistas em todo o Brasil e unificar as informações em um único canal, ficou a cargo do Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia (Coppe) e da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) através do Programa de Engenharia de Sistemas e Computação.