Masdar City: Uma cidade inteligente em busca da emissão zero de gás carbônico

Infográfico Cidades Sustentáveis - Masdar City

A segunda cidade do especial Cidades Sustentáveis encontra-se em Abu Dhabi, um dos sete emirados (cidades) dos Emirados Árabes, e começou a ser construída em 2006. O projeto inicial do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) foi patenteado em 2007 pela empresa de arquitetura Foster+Partner, com o objetivo de ser uma Smart City (Cidade Inteligente, em inglês) que não emita nenhuma quantidade de gás carbônico.

Masdar City pretende – além de ser destaque em construções que não emitam CO2 – ser referência de gestão sustentável entre os países do Oriente Médio. Para isso, o governo de Abu Dhabi fez um investimento de US$ 22 bilhões, auxiliando no desenvolvimento de projetos de energia solar, sistema de trânsito rápido – transporte elétrico – comandados pela equipe de engenheiros da empresa Mubadala Development Company.

Com previsão de término para 2025, Masdar City terá capacidade para 50 mil habitantes e mil empresas especializadas em energia sustentável, nos seus 6 mil km² de extensão. Para projetar a cidade também será necessário direcionar capital para instalar mais unidades de pesquisa, dentre elas, a Agência Internacional de Energias Renováveis (IRENA, em inglês).

Vista aérea de Masdar City

Vista aérea de Masdar City. Divulgação

Além de comportar vários projetos ligados à sustentabilidade, a cidade precisará trazer retorno financeiro. De acordo com o Sultão Ahmed Al Jaber, diretor-presidente do projeto e ministro de Energia e Mudanças Climáticas de Abu Dhabi, em entrevista para o jornal O Estado de S. Paulo, a ideia é que a cidade seja não só sustentável, mas que, principalmente, os custos para mantê-la não sejam tão caros. O principal objetivo é que Masdar City tenha uma vida econômica e social próprias, não sendo somente uma cidade modelo.

Fazenda de energia solar

Se a meta principal é a emissão zero de gás carbônico, o caminho para este resultado é a integração de tecnologias para favorecer a energia limpa, e a primeira delas é solar. Masdar City foi projetada para utilizar energia fotovoltaica gerada pelos painéis solares instalados nos telhados dos edifícios.

Além disso, a cidade já conta com uma “fazenda solar”, um complexo de 87 mil painéis solares distribuídos por 22 hectares, que tem capacidade para produzir 17.500 MWh de eletricidade limpa por ano.

Fazenda Solar Masdar City

Fazenda Solar de Masdar City. Divulgação

O objetivo da fazenda é eliminar 15 mil toneladas de dióxido de carbono, o que seria o equivalente a quantidade emitida por 3,3 mil carros que passam pelas ruas Abu Dhabi anualmente. “Tais iniciativas são exemplos do que pode ser aplicado com sucesso em cidades de grande porte para derrubar drasticamente o nível de emissão”, disse Al Jaber.

A fazenda solar não só gera energia elétrica, como também participa da gestão de aquecimento da água. Os espelhos dos painéis fotovoltaicos conseguem reter o calor do Sol e enviar a demanda térmica para os reservatórios de água para torná-la aquecida e ser usada quando necessária.

Economia de água

Masdar quer ir além da emissão zero de gases tóxicos. Quer atingir um número significativo na redução do uso de água da cidade. De acordo com o projeto será possível economizar 54% deste recuro natural através da dessalinização do mar, tornando a água potável. As centrais dessalinizadoras se utilizarão da luz solar para fazer os sais que estão em excesso na água evaporem, deixando-a mais próxima do padrão adequando de consumo. O papel das centrais dessalinizadoras será auxiliar em um dos estágios do tratamento de água.

Para economizar água a cidade terá contadores para identificar vazamentos em todo o sistema. Além disso, as águas residuais tratadas serão responsáveis pela redução de 60% no consumo de água por metro quadrado.

Climatização

Com temperaturas que podem chegar a 50°C no verão, a população de Masdar precisará se refrescar para aguentar o calor, mas isso já foi pensado. A cidade contará com um sistema de climatização que utilizará a brisa do mar do Golfo Pérsico.

Para realizar o resfriamento da cidade, as ruas terão que ser posicionadas de maneira a canalizar os ventos, tendo uma economia de 55% na refrigeração. Os edifícios também possuirão um design de curvas na superfície e na lateral para facilitar a passagem dos ventos.

Fachada do Masdar City Institute

Arquitetura em curvas facilitará a passagem do vento. Divulgação

Transporte movido à energia elétrica

Continuando com o conceito de sustentabilidade, o transporte de Masdar vai usar a energia elétrica e com isso poupar a natureza de 1 bilhão de toneladas de CO2 que seriam emitidas anualmente. O transporte interno será por trilhos magnéticos, que vão usar energia elétrica, substituindo os automóveis que emitem C02.

O sistema chamado de PRT (Personal Transit Rapid) consiste em carros compactos que vão circular sobre trilhos subterrâneos, transportando de dois a três passageiros por vez. Dessa forma, o número de veículos pela cidade será limitado, além dos carros não poluírem a atmosfera e a superfície, as ruas da cidade ficarão livres para os pedestres.

Estação dos Personal Rapid Transit

Estação dos PRTs. Divulgação

Outra alternativa são os carros elétricos da Mitsubishi Electric (SVE) que ainda estão em teste. A ideia é que não se substitua completamente os outros veículos, mas que seja um complemento para o transporte sustentável.

Coleta seletiva

Todos os prédios de Masdar, tanto comerciais quanto residenciais terão um sistema de gerenciamento de resíduos. O lixo é separado corretamente dentro dos edifícios e levado para centros de reciclagem que se encarregam de administrar o conteúdo.

Confira mais fotos de Masdar City na galeria que o Pensamento Verde preparou:

A controvérsia do uso de petróleo

Segundo declaração do ministro do petróleo dos Emirados Árabes Unidos (EAU), Mohammad Al-Hamli, feita no ano passado, os sete emirados (Abu Dhabi, Dubai, Sharjah, Ajman, Umm al-Quwain, Ras al-Khaimah e Fujairah) do grupo são detentores da maior proporção mundial de petróleo, produzindo 2,6 milhões de barris por dia, que são vendidos por US$ 103 cada um, em média.

Sultão Ahmed Al Jaber

Sultão Ahmed Al Jaber. Divulgação

Para o Ministério de Energia e Mudanças Climáticas de Abu Dahbi, ainda que a receita do país venha da extração de fonte não-renovável, o governo deve tomar medidas para utilizar o petróleo em menor escala.“Em última análise, vamos nos beneficiar de uma base econômica diversificada, minimizando a dependência do petróleo e aumentando as contribuições dos setores não-petrolíferos no PIB”, explica Al Jaber.

Apesar desta meta, a cidade não pode ser considerada como sustentável porque é subsidiada pela comercialização desta fonte não-renovável que tende a se esgotar rapidamente, como também a queima deste petróleo que é prejudicial ao meio ambiente, já que emite grande quantidade de gases tóxicos na atmosfera.

Além disso, a preocupação de Masdar parece ser bem mais quanto ao desempenho das tecnologias de eficiência energética do que com a qualidade de vida de quem vai morar nela. No projeto não consta uma preocupação direcionada à implantação de áreas verdes que podem ajudar a refrescar ainda mais a temperatura ambiente na cidade.

O fato da cidade ser construída sem a ajuda da comunidade não foi bem recebida por analistas de sustentabilidade. Eles acreditam que esta postura foge parcialmente do conceito de disseminação da responsabilidade ambiental que já deveria estar entre a toda a população.

Que tal fazer um tour por Masdar City, veja o vídeo:

Ficou impressionado com a tecnologia e eficiência de Masdar City? Na próxima semana, 2 de outubro, o especial Cidades Sustentáveis irá mostrar como um município da América do Sul conseguiu melhorar o transporte coletivo, diminuir a criminalidade e o tráfico de animais, trazendo qualidade de vida ao moradores.
Ingrid Araujo

Jornalista formada desde 2010, atualmente redatora do Pensamento Verde, escrevendo matérias relacionadas à preservação do meio ambiente e sobre sustentabilidade. Atuou como Diretora do Centro de Formação de Condutores e Educadora de trânsito, lecionando nas matérias de Legislação de Trânsito, Meio Ambiente e Cidadania.