Práticas de sustentabilidade ganham destaque na indústria têxtil

938 Visualizações
Tecido
Foto: institutoriomoda

De acordo com o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), a cadeia produtiva têxtil e de confecções representa 3,5% do PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro e registrou 1,7 milhão de trabalhadores somente em 2010. Com uma produção média de 9,8 bilhões de peças, o setor em ascensão “também tem se enxergado num contexto mais sustentável, mesmo que por uma questão legal”, afirma Roberta Valença, CEO da Arator, companhia especializada em projetos ecologicamente corretos.

Em âmbito mundial, Roberta ressalta que a Europa tem aderido à elaboração de vestimentas de baixo impacto ambiental, enquanto a China, líder mundial no mercado têxtil e de confecção, está se adequando às novas leis relacionadas ao meio ambiente e as questões trabalhistas implantadas no país. Desta forma, os serviços terceirizados de produção de trajes têm passado com fiscalizações e controle cada vez mais intensos e rigorosos.

Ocupando a 23ª colocação entre os maiores exportadores têxteis do planeta, “o Brasil tem o desafio de elaborar novas estratégias de negócios, novos padrões tecnológicos, modernizar pequenas empresas e, principalmente, contar com políticas mais efetivas de inovação e qualidade de mão de obra”, explica a CEO da Arator.

Para a especialista, a implementação de conhecimentos ecológicos em toda a cadeia de fornecedores tornará a indústria mais sustentável, ou seja, é preciso avaliar desde a colheita de algodão até a utilização pelo consumidor, isto é, processos que englobam o uso de pesticidas, água e emissões de dióxido de carbono. Desta forma, os gastos com mão de obra e matérias-primas serão reduzidos e a competitividade internacional será alavancada, o que, certamente é lucrativo para qualquer empreendimento.

Paraty Eco Fashion
Foto: patriciamourabiojoias

A mudança de comportamento do público, que ficou mais exigente e engajado na preservação e conservação da natureza, também está impulsionando esse mercado. Sabendo desta crescente procura por itens que não agridem o meio ambiente, a empresa nacional Ahimsa tem apostado no conceito de organic shoes, sapatos 100% livres de insumos animais, já a Eurofios trabalha com fios ecológicos, materiais reaproveitados de resíduos sólidos das indústrias têxteis.

Portanto, contando com a aceitação do consumidor, os tecidos sustentáveis são considerados tendência mundial, assim como eventos com essa temática, um exemplo é o Paraty EcoFashion.