Impressora usa tinta ecológica e reduz a emissão de resíduos em 90%

727 Visualizações
EkoFootprint
Foto: ekofootprint

Para executar 30 mil impressões coloridas, uma impressora gasta algo em torno de 40 litros de petróleo. Preocupada com a quantidade desse elemento químico proveniente da natureza, a solução encontrada pela EkoFootprint foi criar uma tinta sólida com matéria prima de glicerina, que substitui o petróleo. O produto de baixo impacto ambiental ainda reaproveita 90% de seus resíduos, os quais serão matéria-prima para fabricação de lápis de cera.

O projeto teve início em 2012, quando o empresário José Claudio Fonseca descobriu que a tinta sólida feita com cera de base 30% orgânica poderia ser usada sem provocar grandes danos ao meio ambiente. Além disso, as impressões são feitas em papel reciclado, o que evita a derrubada de árvores.

Para realizar as impressões, os blocos de cera são colocados na impressora, derretidos e transformados em tinta. Os restos da tinta são reaproveitados e se tornam novos lápis de cera, que são distribuídos em creches de Belo Horizonte (MG), cidade sede da empresa. A proposta de evitar a extração de petróleo e ainda distribuir os resíduos em forma de novos materiais escolares promoveu a responsabilidade socioambiental nesse ramo do mercado. Com este empenho, a gráfica também recebeu destaque no Programa Benchmarking Brasil, na edição de 2013.

Empresa: EkoFootprint Impressões Sustentáveis

Case: Impressão sustentável de documento utilizando tinta ecológica que gera 90% menos resíduos

Responsável: José Claudio Fonseca, diretor de Marketing