Nova prefeitura: qual será o futuro das ciclovias?

243 Visualizações
Facebook.com / Prefeitura de São Paulo Atualmente existem mais de 350 quilômetros de ciclovias.

As ciclovias ganharam destaque na cidade paulistana durante o mandato de Haddad. De acordo com dados da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), hoje existem 354,1 Km de ciclovias. O projeto adotado pelo atual prefeito se tornou uma alternativa muito utilizada, por trazer benefícios para o bolso, saúde e meio ambiente.

Porém, após receber mais de 3 milhões de votos e se tornar o novo Prefeito de São Paulo, o empresário João Doria (PSDB), anunciou em uma entrevista exclusiva para o jornal Estado de São Paulo sua intenção de parar a expansão das ciclovias na cidade. Doria foi direto em relação a isso e disse: “Não. Só se houver uma necessidade real e comprovada. Apenas para cumprir meta, não”. Ele informou também que as faixas exclusivas só serão preservadas onde funcionam bem.

O assunto tomou conta de todos os meios de comunicação e se tornou uma das maiores polêmicas eleitorais e dos comparativos entre gestão atual e a que está por vir, isso porque Fernando Haddad prometeu a criação de 400 Km de ciclovias. Porém, esse assunto já foi motivo de muitas críticas devido à qualidade e utilização das ciclovias, que serão modificadas na próxima gestão segundo o programado.

A Secretaria Executiva de Comunicação informou em um comunicado ao jornal O Estado de S. Paulo que irá entregar as ciclovias até o fim de 2016 e que o cronograma foi alterado por conta de uma série de fatores que afetaram as ações da Prefeitura na área. Um deles foi o fato de o juiz Luiz Fernando Rodrigues Guerra proibir, em março, que a Prefeitura continuasse com as obras de expansão, atendendo a um pedido da promotora de Justiça Camila Mansour Magalhães da Silveira, que alegou falta de planejamento.

João Doria explicou ainda ao jornal a possibilidade de privatizar as ciclovias. “As ciclovias que foram assimiladas pela população vão continuar e serão mantidas pela iniciativa privada, porque a Prefeitura faz mal hoje essa conservação. Vamos escolher uma área e permitir ali a publicidade. As empresas interessadas poderão adotá-las por um ano ou mais.”