Dia Nacional de Conscientização sobre as Mudanças Climáticas: o que podemos fazer para conter essa crise?

144 views

Neste dia 16 de março comemora-se o Dia Nacional da Conscientização sobre as Mudanças Climáticas. A data foi instituída em 2011 e tem como objetivo promover a conscientização sobre a importância de realizar e promover ações que ajudem a reduzir o impacto das mudanças climáticas.

Diversos documentos já foram publicados com o objetivo de encontrar soluções para os problemas das mudanças climáticas. A Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (em inglês, United Nations Framework Convention on Climate Change ou UNFCCC), adotada em 1992 e ratificada por 195 países, tem o objetivo de estabilizar as concentrações de gases de efeito estufa na atmosfera em um nível que impeça uma danosa interferência humana no sistema climático.

Depois veio a adoção do Protocolo de Kyoto, em 1997. Esse protocolo introduziu metas com o objetivo de reduzir as emissões de gases de efeito estufa nos países desenvolvidos. O Brasil assinou o Protocolo de Kyoto em 29 de Abril de 1998, porém a Assembléia Legislativa aprovou o texto do Protocolo apenas em 20 de Julho de 2002, sob o Decreto Legislativo nº 144 de 2002.

Como podemos ajudar a resolver esse problema

Governos, empresas e comunidades podem fazer algo para contribuir com ações (de forma direta, ou indireta) que levem à redução das emissões de gases de efeito estufa. Uma dessas maneiras é limitar o uso de combustíveis fósseis como petróleo, carbono e gás natural e substituí-los por fontes de energia renováveis ​​e mais limpas.

Outra maneira é pressionar governos e empresas para que façam as mudanças necessárias, visando a redução da emissão de poluentes.

Nós, enquanto indivíduos, também podemos contribuir reduzindo o uso do carro, que é a forma de locomoção mais poluente, em comparação com outros meios de transporte, como caminhar, andar de bicicleta ou usar o transporte público.

Consumir menos é outra maneira individual de contribuir com a redução da crise climática. Focar nos prazeres simples da vida, como passar um tempo contemplando a natureza, ficar com os entes queridos e fazer a diferença na vida de alguém, são práticas que fornecem mais propósito, pertencimento e felicidade do que simplesmente comprar e consumir.

Além disso, quando consumimos menos, produzimos menos emissões e somos mais gentis com o planeta. Compartilhar algo, consertar, reciclar, reaproveitar e compostar são boas formas de começar.

Guy Stewart Callendar (fevereiro de 1898 – outubro de 1964). Foto tirada em 1934 | Crédito: Arquivo da Universidade de East Anglia

Quem identificou as primeiras mudanças climáticas?

Um dos primeiros modelos de mudança climática foi feito por um cientista chamado Guy Callendar, na década de 1930. Na época, ele coletou medições de gases atmosféricos, observando os efeitos dos combustíveis fósseis, as correntes oceânicas, a temperatura e as chuvas em todo o mundo.

Foi então que ele criou o primeiro rascunho de um modelo climático moderno e, em 1938, descobriu que as emissões de carbono da humanidade estavam aumentando as temperaturas da Terra.

Callendar apresentou suas descobertas a um painel de cientistas do clima na Royal Meteorological Society e foi prontamente encerrado porque, na época, os níveis de dióxido de carbono no ar estavam baixos e a ideia parecia estranha. No entanto, Callendar continuou pesquisando o que chamou de “efeito Callendar”, observando pequenos aumentos na temperatura, que ele pensou que iriam adiar o retorno da idade do gelo.