Conheça alguns produtos do cotidiano que ameaçam o meio ambiente

507 Visualizações

Itens básicos presentes à nossa vida parecem inofensivos e bons aliados ao nosso dia-a-dia, porém, para o meio ambiente, impactam de forma nada colaborativa.

Parte dos protetores solares que cuidam da pele contém substâncias altamente prejudiciais ao meio ambiente. A mais nociva é a oxibenzona, componente encontrado também em protetores labiais, hidratantes e máscaras para cílios.

Diversos estudos alertam para o fato de que o produto químico estaria causando grandes danos aos recifes de coral e ameaçando a sua existência. Diante das constatações, o Havaí decidiu banir o uso de protetor solar em seu território, como uma tentativa de barrar a situação.

Um dos efeitos do oxibenzona é o branqueamento dos corais, fazendo-os perder as variadas e encantadoras cores que enchem os olhos de que os vêem. A substância causa, ainda, danos ao DNA do coral bebê, fazendo com que ele se enclausure em seu próprio esqueleto, levando-o  à morte.

Produto essencial à pele, opte por filtros solares livre de oxibenzona, assim como PABA, retinil palmitato e parabeno.

Veja outros itens não tão amigáveis com o meio ambiente.

Abacate

A organização holandesa Water Footprint Network, cuja bandeira é a conscientização pelo uso mais eficiente da água, calculou que, para cultivar um único abacate, são necessários cerca de 272 litros de água. Segundo a instituição, os efeitos disso são devastadores para as regiões onde a fruta é cultivada.

Em 2011, uma investigação conduzida por autoridades de água no Chile encontrou, pelo menos, 65 plantações de abacate que desviavam ilegalmente rios e outras fontes de água para irrigação. Há quem atribua à esses agricultores uma forte seca que atingiu a área e forçou moradores a escolherem entre usar a água para beber ou tomar banho.

Abacaxi

O abacaxi é outra fruta que impacta o meio ambiente por ser cultivada a um ritmo que, em algumas partes do mundo, está afetando negativamente o planeta.

Na Costa Rica, por exemplo, que é um dos maiores produtores mundiais de abacaxis, milhares de hectares de florestas foram desmatados para o cultivo. Segundo a Federação de Conservação da Costa Rica, florestas inteiras desapareceram rapidamente, causando danos irreversíveis.

Os abacaxis são produzidos em grandes monoculturas a produção intensiva de um único cultivo e exigem uma grande quantidade de pesticidas, que também podem ser prejudiciais ao meio ambiente.

Produtos de higiene

No shampoo, batom, detergente para roupa, sabonete e pasta de dentes há a presença do óleo de palma, um dos óleos vegetais mais eficientes e versáteis, mas cujo uso generalizado levou a um desmatamento significativo.

Em um relatório de 2018, o grupo de conservação WWF alertou que a transformação de florestas tropicais e turfeiras em plantações de óleo de palma liberou “enormes quantidades de dióxido de carbono, contribuindo com as mudanças climáticas e destruindo o habitat de espécies como os orangotangos”.

O óleo de palma também está presente em produtos comestíveis, como chocolate, margarina, sorvete, pão e biscoitos.

Aromatizantes

Se no ambiente externo a poluição degrada o meio ambiente, em casa, produtos domésticos também têm efeitos negativos para a qualidade do ar.

Os aromatizantes, por exemplo, muitas vezes contêm uma substância química chamada limoneno, usada para dar um perfume cítrico ao ambiente, e também é usado em alimentos.

Um experimento realizado pela BBC identificou que quando o limoneno reage com o ozônio presente no ar, produz formaldeído um dos produtos químicos de uso atual mais comuns e cercados de riscos. Segundo a Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo), a exposição a altas concentrações desse produto pode causar falta de ar, salivação excessiva, espasmos musculares, coma e eventualmente a morte.

O formaldeído também é considerado cancerígeno para humanos.