Como podemos evitar que a poluição aumente com o fim da quarentena

271 views

As emissões de poluentes caíram consideravelmente nos últimos meses por conta do isolamento social – praticado por uma grande parcela da população do planeta. Maior investimento em veículos elétricos pode ajudar a manter esses níveis baixos.

Embora ainda não saibamos como será a nossa rotina daqui para frente, uma coisa é certa: os níveis de poluentes emitidos pelos veículos particulares e por transportes públicos, precisam continuar baixos. Para se ter uma ideia, as emissões de gases de efeito estufa caíram mais de 15% em muitas grandes cidades no auge da pandemia. E para aproveitar que esses níveis permaneçam baixos, é preciso que algumas mudanças sejam feitas.

Transporte elétrico

Uma das maneiras mais significativas de conseguir manter os níveis de poluentes baixos é ampliando o investimento em transportes elétricos. Na maioria das cidades, o transporte é uma das principais fontes de emissões de gases de efeito estufa e a principal causa de poluição do ar, trazendo sérios prejuízos para muitas pessoas.

Muitas cidades brasileiras vêm adotando os ônibus elétricos, como forma de locomoção limpa. A cidade de São Paulo, por exemplo, conta com a maior frota de transportes públicos elétricos do Brasil. Os ônibus que circulam pela capital paulista, por exemplo, contam com 250 quilômetros de autonomia, permitindo que eles rodem o dia todo. À noite, a frota retorna para a garagem onde é recarregada. De acordo com a fabricante de veículos elétricos BYD, cada ônibus elétrico em circulação deixa de emitir 110 toneladas de CO2 por ano, que é o volume equivalente a um ônibus convencional a diesel – que utiliza 90 litros do combustível em um dia de operação.

A frota de carros particulares elétricos também vêm crescendo e se consolidando no Brasil. Houve alguns avanços consideráveis nos últimos anos para estimular esse mercado, como a redução do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) para veículos elétricos e a Resolução Normativa nº 819/2018 da ANEEL, que regulamenta a cobrança de recarga para veículos elétricos. Além disso, algumas leis obrigam a instalação de carregadores em determinados tipos de empreendimentos. Esses veículos também são isentos de rodízio na cidade de São Paulo e contam com 50% de desconto no Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) – em alguns estados brasileiros como São Paulo e Paraná.

Carro elétrico.

E mesmo com a pandemia, sete novos modelos de carros elétricos estão previstos para serem lançados ainda este ano no Brasil.