Estudantes mexicanos transformam bitucas de cigarro em celulose

729 views

Uma única ponta de cigarro pode contaminar até 50 litros de água doce e 13 litros de água salgada. Quando molhada, libera hidrocarbonetos e metais pesados que alteram até o pH do solo, o que diminui a germinação de plantas e raízes. Quando seca, ainda que apagada, continua emitindo 14% da nicotina para o meio ambiente. Todos os anos, mais de 14 trilhões delas acabam nas ruas, parques, praias, rios, lagos e oceanos, onde liberam mais de 7 mil substâncias tóxicas.

Foi pensando em mitigar esse panorama que estudantes mexicanos desenvolveram um projeto para dar um novo destino a este poluente. Tudo começou quando biólogos da região de Serra Madre, no México, levaram para o laboratório um determinado fungo que cresce ao pé das árvores e as devora. Em ambiente controlado, eles criaram condições de temperatura, umidade e pH para que esse fungo crescesse em pontas de cigarro. Durante seu crescimento, o fungo inoculado libera enzimas que quebram as substâncias químicas das bitucas. O que sobra deste processo é a polpa de celulose do resíduo que, sem as toxinas, pode ser transformada em produtos de papel, derivados de madeiras e produtos para isolamento térmico e acústico, entre outros. Para coletar as bitucas, o projeto conta com organizações que recolhem garrafas plásticas cheias delas e, em dois anos de trabalho, já tratou cerca de quatro toneladas de resíduos.

Iniciativas semelhantes para chamar de nossa

Foto: Poiato Recicla

Com resíduos de cigarro…

Com esse mesmo objetivo, em 2016, foi inaugurada a primeira usina brasileira de reciclagem de resíduos de cigarro, desenvolvida com tecnologia 100% nacional. Estamos falando do Poiato Recicla, projeto que traz a solução completa para gestão e descarte deste resíduo. De abrangência nacional, o Programa disponibiliza caixas coletoras em estabelecimentos comerciais, universidades, espaços públicos e escritórios para depósito das bitucas. Depois de coletadas, elas são transformadas em massa celulósica destinadas a oficinas de arte para produção de papel artesanal. Além disso, o programa também tem um viés socioeducativo para o público que frequenta as instituições que dele participam.

Foto: Poiato Recicla

…e os copinhos de plástico descartáveis

Outro resíduo que chama atenção são os copos descartáveis. Pensando nisso, a Braskem, em parceria com a Dinâmica Ambiental e apoio da Copobras, Altacoppo, Unigel e Innova, criou em 2018 um programa semelhante às iniciativas que apresentamos aqui, incentivando o descarte correto e educando as pessoas a fazerem o certo pelo mundo. É o Programa de Reciclagem de Copos Descartáveis, que tem como objetivo dar um destino correto aos copos plásticos usados em ambientes corporativos e eventos. As empresas que aderem ao programa recebem coletores, que facilitam o acondicionamento dos copos e o encaminhamento deles para as recicladoras. Lá, são transformados em resina pós-consumo e utilizados na fabricação de novos produtos, como tampas para cosméticos e utensílios domésticos. Além disso, também fornece orientação e treinamentos aos colaboradores quanto à importância da reciclagem e do descarte correto.

Qualquer empresa pode contribuir e seguir esses bons exemplos! Para isso, basta entrar em contato com os representantes da Dinâmica Ambiental.

Fontes: Poiato Recicla | Trend Watching | Sinembargo | Razões para Acreditar