Do Canadá à Rocinha para transformar tampas plásticas em skates

2.797 views

A história do canadense Arian Rayegani com o Brasil começou em 2014, em uma viagem de férias por aqui com a família.

A ideia de fabricar skates com plásticos surgiu nos tempos de estudante de engenharia mecânica e em inúmeras tentativas de criar coisas novas com o que encontrava na lixeira de casa. Os primeiros protótipos vieram depois de pesquisas na internet sobre como derreter plásticos e transformá-los em utilidades.

Depois da ideia, veio o propósito

Anos mais tarde e com protótipos mais aprimorados, já formado e após assistir um documentário que mostrava o projeto @SalvemosSãoConrado e voluntários da escola @VivendoUmSonhoSurf recolhendo resíduos descartados no mar, Arian entendeu que era hora de ir além.

Com o apoio dessas entidades e um visto de residente em terras brasileiras, ele deixou o Canadá para morar na maior favela do país, a comunidade da Rocinha, localizada na zona sul do município do Rio de Janeiro. É lá que ele fabrica skates com tampas plásticas doadas por moradores do local.

Foto: Acervo Pessoal/Arian R.

Processo de fabricação

Para dar vida aos equipamentos, Arian usa um forno industrial de pizza, um triturador e uma prensa mecânica. E o processo é delicado: “é preciso triturar as tampas, derreter o plástico, colocar no molde, fazer várias camadas, depois colocar no forno, esperar esfriar, cortar, fazer os furos e colocar as rodas”, explica.

Cada skate precisa de 1,5 kg de tampas de garrafa (aproximadamente 500 unidades doadas por moradores da Rocinha), e leva 2 horas para ser fabricado. Suporta até 115kg e é comercializado por R$ 450 pelo Instagram do artista, a @NaLajeDesigns.

Através de palestras e ações de conscientização ambiental para jovens e crianças, Arian busca mostrar os impactos do descarte inadequado na natureza e como podemos transformar essa realidade.

Empenho compartilhado

Assim como o jovem canadense, a Braskem também toma para si a missão de promover informação e valor à cadeia do plástico, através de iniciativas como o Programa de Copos Descartáveis.

O programa, que tem a Dinâmica Ambiental como parceira e as empresas Altacoppo, Copobras e Unigel e Innova como apoiadoras, fomenta a valorização de resíduos plásticos ao longo de toda a cadeia produtiva e tem como objetivo disseminar práticas sustentáveis junto a companhias de diferentes perfis e setores. Para isso, a Dinâmica Ambiental disponibiliza o recolhimento apropriado para a coleta dos copos descartados nas empresas e estabelecimentos que participam do programa. O material coletado é transformado em resina pós-consumo para fabricação de novos produtos, como tampas para cosméticos, utensílios domésticos, entre outros.

Faça parte deste time também, torne-se um aderente! Clique aqui para saber mais!

Foto de capa: NaLajeDesigns
Fonte: Jornal Fala Roça