Tomate ecológico chega a mercados do Rio de Janeiro

Divulgação / Embrapa Solos Produto ensacado ainda no pé não tem contato com agrotóxicos.

Sendo uma opção mais barata do que o produto orgânico e mais saudável do que o convencional, o Tomate Ecologicamente Cultivado (Tomatec), sem resíduo de agrotóxicos, chega às prateleiras cariocas a partir deste mês de agosto.

Com o objetivo de produzir alimentos com o mínimo de impacto ao meio ambiente, a Embrapa Solos, unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), desenvolve o sistema desde a década de 1990 e o início da venda desses produtos é fruto da parceria entre a instituição, que orientará a produção, e a Rede Zona Sul de supermercados, que comercializará os tomates, cuja qualidade foi comprovada por exames realizados na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Todos os frutos vendidos no supermercado são do tipo italiano, o mais consumido em restaurantes, principalmente no preparo de saladas, e produzidos com a tecnologia Tomatec, meio de produção sustentável que se preocupa com o meio ambiente e a saúde tanto do agricultor quanto dos consumidores finais.

Surgindo como uma alternativa viável para ser adotada nos campos brasileiros, o Tomatec apresenta aspectos importantes para o consumidor. Além de ser mais saudável, pois é livre de resíduos de agrotóxicos, ele também atende questões de segurança alimentar, já que há maior oferta do produto durante todo o ano.

Divulgação / Embrapa Solos São usadas técnicas de tutoramento vertical para favorecer o crescimento das plantas.

Características do cultivo

A produção dos tomates envolve alguns princípios agronômicos diferenciados, dentre eles:

• Conservação do solo, conseguido com a introdução do plantio direto na palhada (manejo em que a palha e os demais restos das plantas são deixados na superfície do solo), reduzindo o processo erosivo ocasionado pelo preparo inadequado da área de semeadura;

• Introdução de técnicas de fertirrigação (irrigação por gotejamento associada ao uso de adubos mais solúveis), que proporciona maior eficiência no uso da água e dos próprios adubos;

• Tutoramento vertical das plantas (método no qual elas são sustentadas por fitilhos plásticos), permitindo maior desenvolvimento dos tomateiros;

• Manejo integrado de pragas (MIP), no qual são empregadas estratégias de controle de infestações baseadas no controle ecológico e nos fatores de mortalidade naturais dos agentes causadores de doenças;

• Proteção física do fruto por meio do ensacamento das pencas de tomate com papel de tipo granapel, evitando o ataque de pragas e o contato com agrotóxicos, o que também gera eficiência no uso de fertilizantes.

Todo esse processo é uma resposta ecológica ao maior problema das lavouras: as perdas unitárias dos frutos. O sistema também resulta em um tomate limpo, resistente, de tamanho adequado para o mercado e de boa aparência, com selo de qualidade e rastreabilidade, diferenciais que permitem ao produtor obter melhor preço na comercialização.

Segundo José Ronaldo Macedo, pesquisador da Embrapa Solos, em São Sebastião do Alto, município da Região Serrana do Rio de Janeiro, já existem mais de 13 mil pés de tomate produzidos com a técnica Tomatec. “Pretendemos fornecer três toneladas por semana ao Supermercado Zona Sul, pois, em breve, cultivaremos também em Nova Friburgo, Bom Jardim, Trajano de Moraes e Tanguá”, completa o pesquisador.

Aline Cavalcanti