Home > Amazônia > Quais são as plantas em extinção na Amazônia?

Quais são as plantas em extinção na Amazônia?

14 de maio de 2013
publicado por
Redação
Vitória-régia

Foto: admiriam

A Floresta Amazônica, graças a sua grande extensão e variedade vegetal e hídrica, é a maior biodiversidade do planeta e concentra uma enorme quantidade de plantas.

Por ser uma floresta fechada e com um grande número de árvores de grande porte – cerca de 11.120 espécies -, as espécies de vegetação rasteira são poucas. Apesar disso, a concentração da flora na região é grande graças ao equilíbrio do ecossistema. Estima-se que existam 30 milhões de vegetais na Amazônia. Entre as espécies mais conhecidas estão: a castanheira, a seringueira, o cacaueiro e a vitória-régia.

Devastação x Extinção

Ao todo, são mais de 500 mil árvores derrubadas por ano. Estudos apontam que 17,3% da cobertura florestal do bioma já foi destruída. A posse ilegal de terras, as queimadas e a expansão da fronteira para pecuária e agricultura estão entre os fatores predominantes para essa devastação, e para o aumento da taxa de plantas em extinção na Amazônia. Dados do serviço florestal brasileiro apontam que cerca de 24 espécies estão ameaçadas na região.

Conheça um pouco mais sobre algumas das plantas em extinção na Amazônia:

Andiroba (Carapa guianensis Aubl.) – as sementes de andiroba fornecem um óleo amarelo com propriedades insetífugas e medicinais. Além disso, a andiroba pode ser utilizada no combate as infecções do trato respiratório como: dermatites, lesões secundárias, úlceras e escoriações. Tem também propriedades cicatrizantes e antipiréticas. O óleo é utilizado ainda em vários produtos para tratamento de cabelo deixando-o sedoso e brilhoso.

Mogno – brasileiro (Swietenia macrophylla) – árvore nativa da Amazônia, mais comum no sul do Pará, é ornamental quando usada na arborização de parques e jardins. A madeira do mogno é muito usada na produção de móveis.

Pau-Rosa (Aniba rosaeodora Ducke) – é no tronco da árvore que está o interesse dos exploradores. Essência principal de perfumes – um deles imortalizado por Marilyn Monroe -, o tronco e as lascas precisam ser processados no vapor para a extração do óleo que atrai a indústria de cosmético. Para extrair 180 litros de essência, é necessário de 15 a 20 toneladas de madeira, precisando derrubar mil árvores.

Castanheira (Bertholletia excelsa) – atualmente só é encontrada em abundância na Bolívia e no Suriname. No Brasil, castanhais são derrubados para a construção de estradas e barragens, para assentamentos de reforma agrária e criação de gado.

Cravo-do-maranhão, paucravo ou casca-preciosa (Dicypellium caryophyllaceum) – O pau-cravo era uma das “drogas do sertão”, como eram conhecidos os produtos levados como especiarias para a Europa no período colonial. Era considerada mais vantajosa do que o cravo-da-índia e a canela-do-ceilão porque permitia a extração de dois produtos em uma mesma planta: a canela de sua casca e o cravo de suas flores. As especiarias eram usadas para conservar e temperar os alimentos, sendo também empregadas na produção de remédios.

Confira também uma lista dos animais em extinção no Brasil: http://www.pensamentoverde.com.br/meio-ambiente/lista-de-animais-em-extincao-no-brasil/